Por ora, sãos, Francisco [Rubem Penz]

Posted on 27/03/2020

6



Senhores,

Fazei-vos instrumento de vossa saúde.

Onde houver toque, que lave com sabão;

Onde houver tosse, que não leve a mão;

Onde houver discórdia, que louve a informação;

Onde houver dúvida, que leve o gel;

.
Onde houver asma, que livre a aragem;

Onde houver diabetes, que louve a distância;

Onde houver espirros, que seja alergia;

Onde houver contágio, que leve ao SUS.

.
Ó Médicos,

Fazei com que se procure mais

Isolar, que ser infectado;

obedecer, que ser contaminado;

alarmar, que ser descuidado.

.
Pois é pegando que se tem febre,

E propagando, não se é perdoado,

e só vencendo o Covid torna a vida terna.

__________

Rubem Penz, nascido em Porto Alegre, é escritor e músico. Cronista desde 2003. Entre suas publicações estão “O Y da questão” (Literalis), “Enquanto Tempo” (BesouroBox) e “Greve de Sexo” (Buqui). Sua oficina literária, a Santa Sede – crônicas de botequim, dez antologias, foi agraciada com o Prêmio Açorianos de Literatura 2016 na categoria Destaque Literário. Na RUBEM escreve quinzenalmente às sextas-feiras.

Marcado:
Posted in: Crônicas