Browsing All posts tagged under »Alexandre Brandão«

2001: Uma odara no terraço [Alexandre Brandão]

janeiro 3, 2021

3

(Imagem: Átila Roque) . Caetano Veloso terminou sua segunda e última live de 2020 desejando ao público um excelente 2001. Caetano está velho? Velho, com certeza; gagá, nem um pouco. Um homem de 78 anos tropeça física e mentalmente, ora essa! O velho cantou quase trinta canções sem titubear. Sua voz é ainda cristalina, e […]

Bafo de esperança [Alexandre Brandão]

dezembro 20, 2020

4

(Imagem: Átila Roque) . “Antes que a crueldade faça / de vítima as crianças” (Murilo Antunes) . As últimas três crônicas falaram de minhas leituras nos primeiros oito meses de confinamento. Escrever sobre os livros foi um exercício de memória para o miolo mole aqui. Ainda que não tenha feito resenha, crítica, qualquer coisa parecida […]

O que fiz das minhas leituras de confinamento: final [Alexandre Brandão]

dezembro 6, 2020

3

(Imagem: Átila Roque) . Para encerrar os comentários sobre minhas leituras em tempo de confinamento, faço mais alguns e, se não estou errado, feito isso, terei dado conta dos livros de prosa lidos entre março — quando terminei, ainda antes do confinamento, “Os miseráveis”, de Victor Hugo — e novembro. “Pais e filhos” (Cosacnaify), de […]

O que fiz das minhas leituras de confinamento: II [Alexandre Brandão]

novembro 22, 2020

4

(Imagem: Átila Roque) . Dando sequência à crônica de quinze dias atrás, falo um pouco mais sobre minhas leituras do confinamento. Apesar do que dizem — e acertadamente tem sido contestado —, somos um país racista e nós, os brancos ou criados como tal, temos de nos perguntar todos os dias, como fazia uma antiga […]

O que fiz das minhas leituras de confinamento: I [Alexandre Brandão]

novembro 8, 2020

2

(Imagem: Átila Roque) . Enquanto passava os olhos na lista dos livros que li de março até agora, período de total confinamento, a lembrança e o esquecimento começaram a briguinha corriqueira. Resignado súdito do esquecimento, desconfio de quando a lembrança levanta a voz cheia de si e, então, para evitar virar joguete na mão dos […]

O breve Narciso [Alexandre Brandão]

outubro 25, 2020

8

(Imagem: Átila Roque) . “Há um menino / há um moleque / morando sempre no meu coração / toda vez que o adulto balança / ele vem pra me dar a mão” (Milton Nascimento e Fernando Brant) . Minha primeira namorada… ih, agora tive dúvida se foi uma ou outra. Pelo espaço onde se davam […]

A pergunta de Alice [Alexandre Brandão]

outubro 11, 2020

6

(Imagem: Átila Roque) . Para Stella Maris Rezende, fã das palavras desenganadas . Alice levanta a mão e pergunta qual a diferença entre Política e política. O professor, que está ouvindo, mas não está lendo, não entende a qual diferença ela se refere e pede que se explique. A aluna carrega em Política, fazendo um […]

Vênus [Alexandre Brandão]

setembro 27, 2020

5

(Imagem: Átila Roque) . Enquanto a tragicomédia de erros, crueldades e mentiras se repete diariamente a partir de um Brasil que dá de ombros para as mortes pela Covid e para o misto de crime e desastre ambiental que abate com força a Amazônia e o Pantanal, cientistas descobriram a existência de gás fosfina em […]

Seis meses [Alexandre Brandão]

setembro 13, 2020

4

(Imagem: Átila Roque) . Tempo é templo (Sônia Peçanha) São 19h54m, e um vizinho grita Vasco. No fone de ouvido, Antologia do Violão, de Paulinho Nogueira, um dos primeiros discos instrumentais que curti na vida e que encontrei bem agora numa plataforma de música. Acabei de ver dois filmes em sequência: “A sociedade literária e […]

Outro tipo de cronista [Alexandre Brandão]

agosto 30, 2020

4

(Imagem: Átila Roque) . Na zoologia dos escribas, há o cronista cansado, que, ao contrário do sem assunto, tem muito a dizer, mas não tem fôlego. Sendo assim, desconversa, cochila entre vírgulas e economiza diálogos. — Não! — Sim. — No duro? — Da cebola. E o leitor que se esforce para saber se falavam […]