Browsing All posts tagged under »Alexandre Brandão«

Viveremos em Marte [Alexandre Brandão]

maio 24, 2020

10

(Imagem: Átila Roque) . Em quarentena, a noção de espaço muda, se é que o próprio espaço não mude. Vamos com calma: a noção de espaço muda. Acostumado a caminhar — às vezes sozinho, noutras com os amigos Marco Antonio e Fernando — dez quilômetros pelo Aterro, nesta época de confinamento, às 16h, vou do […]

Os menores [Alexandre Brandão]

maio 10, 2020

4

(Imagem: Átila Roque) . “há aqueles que lutam toda a vida; esses são os imprescindíveis” (Bertolt Brecht) . Não sei se Voltaire, se Pascal ou se um terceiro, em carta, se desculpou com o amigo por escrever um texto longo, pois estava sem tempo para um curto. Nos anos de 1970, fez sucesso o livro […]

O pesadelo [Alexandre Brandão]

abril 26, 2020

6

(Imagem: Átila Roque) . Para Manu e Tiê . Quem não acha bom receber de um amigo um telefonema para dizer que você fez parte do seu sonho? E se não foi sonho, mas pesadelo? Pois é, foi o que me ocorreu no domingo passado, aniversário de mês de meu confinamento e mais um dia […]

Pandemia, modos de rir e de se desesperar [Alexandre Brandão]

abril 12, 2020

6

(Imagem: Átila Roque) . Chovem memes, chovem histórias aterrorizantes. Chove sufoco, chovem gestos de solidariedade. Chove paranoia, chovem motivos para a paranoia. Narrativas contrastantes chovem igualmente e chovem hipocrisia e má-fé ou “dá cá meu pinhão primeiro”. Bem, nós que aqui estamos vamos rindo e chorando, e nesta crônica rio um cadinho para chorar outro […]

O clown sem graça [Alexandre Brandão]

março 29, 2020

8

(Imagem: Átila Roque) . Ó meu ódio, ódio majestoso, Meu ódio santo e puro e benfazejo (Cruz e Souza, Ódio Sagrado) . Numa visão superficial, parece que na esquerda sobram os quadradões e na direita deitam e rolam os “de boa”. O presidente, quer dizer, me desculpem pela violação de um cargo tão sagrado, me […]

Em torno do umbigo [Alexandre Brandão]

março 15, 2020

7

(Imagem: Átila Roque) . Gostaria de começar esta crônica-espelho com a palavra convulsão, pois me vi num estado convulsivo nos dias próximos ao lançamento no Rio de Janeiro de “Nenhuma poesia: uma antologia” (Editora Patuá), um conjunto de poemas escritos ao longo de quarenta anos. Como quarenta são os anos vividos no Rio, é um […]

Conjecturas [Alexandre Brandão]

março 1, 2020

8

(Imagem: Átila Roque) . Claro, não existem bruxas, existem mulheres que passam o pano no terror comandado por esses nostálgicos da Idade Média. Claro, não existem mulas sem cabeça, existem homens que se sentem abraçados pelos novos bafos do ultrapassado. Claro, não existem fantasmas, existem crianças que não querem brincar de bangue-bangue, mas, sim, de […]