Browsing All posts tagged under »Cássio Zanatta«

São José vista do alto [Cássio Zanatta]

fevereiro 11, 2020

4

Uma prima me manda uma foto de São José tirada de um avião. À grande altitude, em velocidade de cruzeiro, a cidade, que já não é essa grandeza toda, surge num breve momento, tão pequenina. A primeira coisa que a gente repara são nos tons de verdes e azuis, lembrando a paleta de Cézanne (eu […]

Espera [Cássio Zanatta]

janeiro 28, 2020

3

As coisas prestes a acontecer aguardam ansiosamente. O cisco espera a passagem do olho. A enchente, a conjugação de bueiros entupidos e o descaso das autoridades. O guarda-chuva, mais do que a própria chuva, espera ser esquecido no ônibus. Acreditam que estão a segundos de acontecer, mas nem sempre é assim. O tempo não tem […]

Cássio Zanatta é um dos vencedores do Prêmio Nina Horta

janeiro 19, 2020

0

Cássio Zanatta, cronista da RUBEM, foi um dos três escritores vencedores do Prêmio Nina Horta de Crônica Gastronômica. A divulgação aconteceu neste domingo (19/01), data que seria o aniversário da escritora que dá nome à premiação e que fazia, justamente, crônicas sobre gastronomia. Nina Horta morreu em outubro de 2019. A partir do mote da […]

Porcaria de crônica [Cássio Zanatta]

janeiro 14, 2020

5

Hoje vou porque vou escrever uma porcaria de crônica. Daquelas que, se eu tivesse o mínimo de vergonha na cara, nunca mais sairia de casa. De levar vaia, tomatada e esculacho em público. Não que seja novidade: já escrevi (pior: publiquei) algumas porcarias, um pouco carregadas nas melosidades ou com pretensões de me levarem a […]

1° de janeiro [Cássio Zanatta]

dezembro 31, 2019

0

Acordou com o sol entrando pela janela (que esquecera de fechar) e a cabeça pesada. Tateou a ressaca, não estava tão feia assim para a beleza de desempenho na festa. Sabia que ia ser desse jeito, todo Reveillon é essa coisa. Bebeu, dançou, deu muita risada, bebeu, abraçou, beijou, bebeu, foi abraçado e beijado, bebeu. […]

Ao contrário [Cássio Zanatta]

dezembro 17, 2019

4

Sou um sujeito esquisito. Não é de hoje, venho reparando nisso há pelo menos 50 anos. Por exemplo: desenvolvi uma inédita capacidade de amar ao contrário. Acho ódio um troço feio, vulgar. Assim, prefiro amar do jeito inverso. Amo ao contrário os fios emaranhados nos postes. A torturante demora do enfermeiro em preparar a injeção. […]

Nuvens [Cássio Zanatta]

dezembro 3, 2019

0

Aquela galinha branca e gorda finge estar parada, mas avança vagarosa, decidida a bicar o bode do outro lado do céu. Segue disfarçando, passa detrás daquele floco redondo, mas vai tão lenta que, quando chega perto, o bode já está mais para um abacaxi de coroa quebrada. E bicar abacaxi é o tipo do programa […]