Browsing All posts tagged under »Raul Drewnick«

Um tantinho de autocrítica [Raul Drewnick]

novembro 4, 2018

2

Que os deuses lhe concedam vida longa, se você pretende esperar pela inspiração. *** Gostaria de ser conhecido como estraçalhador de corações, ainda que não merecesse a fama. *** Há décadas ele não faz outra coisa além de escrever. Quando o aconselham a viver um pouco, ele diz estar ocupado em ser mártir. Mártires são […]

De pecados e outras quinquilharias [Raul Drewnick]

outubro 21, 2018

4

Quando se lembra dos seus pecados, principalmente dos carnais, se de algo se arrepende é de não tê-los cometido melhor e mais. *** Concisão é o nome que arranjei para a minha preguiça. *** Por que um chato sempre nos faz pensar na lei do talião? *** Ah, fale-me de luxúria, sim, por que não? […]

Poetas e mais uma porção de coisas [Raul Drewnick]

outubro 7, 2018

4

Os que depois cometerão os maiores crimes contra a literatura costumam começar com uma inofensiva quadrinha. *** Não conseguirmos mais escrever talvez seja um sinal de que os deuses se cansaram de se divertir conosco. *** Frustração das frustrações: deram-lhe a bengala sem o manual de instruções. *** O amor é aquela lagartixa agonizante que […]

Poesia, provérbios, chatos

setembro 23, 2018

9

Numa tentativa de lirismo, o passarinho pousa no poema concreto.   *** A poesia e eu nos dávamos melhor no tempo em que não nos conhecíamos tão bem. *** Vende-se poema concreto na Livraria Cultura do Conjunto Nacional. Corretores no local. *** Narciso foi o precursor das selfies. *** Escrever tem sido só o que […]

Esparramando coisas [Raul Drewnick]

setembro 9, 2018

5

A tristeza deve ser alimentada com migalhas de pão e aquele mesmo tantinho de água que se dá a um passarinho. *** Falar de poesia? Ora, a poesia. Que prosa é essa? *** Sua voz era rouca, como a de um marinheiro encharcado de rum. Eu gostava dela assim. *** Tudo bem, pode me levar […]

Frases com desconto [Raul Drewnick]

agosto 26, 2018

6

Um andrade juntou-se a outro andrade e, por não terem o que fazer, inventaram a modernidade. *** A última coisa séria que o Brás produziu foi Lourenço Diaféria. *** Era a época da vertiginosidade.  Diziam olha lá o Mário e o Oswald de Andrade e enquanto a gente perguntava onde, onde, eles já tinham sido […]

Frases sem graça e sem norte [Raul Drewnick]

agosto 12, 2018

4

Se o seu estoque de lágrimas acabar, recorra ao poeta mais próximo. *** Tempo bom aquele dos poetas passarinhos, como o Quintana. Os de hoje voam só de avião. *** Uma coisa decente que posso dizer de mim: eu nunca seria meu ídolo. *** Os poetas sem talento deveriam ser compensados com uma tristeza especial. […]