Browsing All posts tagged under »Raul Drewnick«

Frases sem compromisso [Raul Drewnick]

abril 21, 2019

5

Já que vão mesmo rir de você, apresente-se como humorista. *** Se for persistente, o escritor jovem pode aspirar, no mínimo, a tornar-se um velho escritor. *** No velório, um comentário sobre o defunto: ”Quase não reconheci o Túlio. Como os três meses de spa fizeram bem a ele.” *** Quem me dera ter algum […]

Algumas frases. Para que mais? [Raul Drewnick]

abril 7, 2019

4

No reino da poesia, quem nasce pardal não chega a cotovia.                                                                *** Quando soube que Camões escreveu sonetos, o rapaz balançou a cabeça: ninguém […]

Homens, poetas, chatos [Raul Drewnick]

março 24, 2019

4

Digo, com a autoridade de quem melhor me conhece: apodreci como homem e não amadureci como poeta. *** Se não tivesse me metido com a literatura, que trauma de infância eu poderia invocar? *** Que o empenho em ser escritor não lhe tire o prazer de aproveitar o melhor papel que a literatura oferece: o […]

A loira e outras ocorrências [Raul Drewnick]

março 10, 2019

3

A majestosa loira trouxe-me um bilhete do Diabo. Queria saber se eu tinha enfim decidido negociar a alma. Respondi que sim, mas não em troca do Nobel. Em troca do quê, então?, ela perguntou. Olhei para ela como se todo o seu corpo só tivesse partes pudendas. Ela entendeu. *** Lastimável história: o poeta raquítico […]

Miudezas [Raul Drewnick]

fevereiro 24, 2019

5

Já decidiu: filósofo será. Falta decidir sobre o que filosofará. *** Fiz o que podia. Fiz muito, fiz tudo. Nada era poesia. *** Hei de fazer história: me arranjem um cavalo, que eu conquistarei Troia. *** Por que não há “x” em questão? *** Um concretista tem meio pé na poesia e um e meio […]

Curtas – e talvez só isso [Raul Drewnick]

fevereiro 10, 2019

4

Estilo é o tipo de coisa que sempre nos faz falta, embora nunca saibamos muito bem o que é. *** O romantismo ainda é uma forma de nos mostrarmos ridículos com certo charme. *** Quem semeia tolices colhe banalidades. *** Descobri, e com atraso, que sou só um homem sensível que tentou aproveitar-se disso para […]

Poetas e mais uma porção de coisas [Raul Drewnick]

janeiro 27, 2019

7

Os que depois cometerão os maiores crimes contra a literatura costumam começar com uma inofensiva quadrinha. *** Não conseguirmos mais escrever talvez seja um sinal de que os deuses se cansaram de se divertir conosco. *** Frustração das frustrações: deram-lhe a bengala sem o manual de instruções. *** O amor é aquela lagartixa agonizante que […]