A fábula do burro, do governo e do povo [Rubem Penz]

Posted on 17/02/2017

8



Rubem Penz*

Eram tantas vezes um povo, um governo e um burro.

E conta que o povo tinha um bom burro, sua força de trabalho. E, para zelar por ele, tinha o governo. Isto é, o governo recebia para cuidar do burro do povo. E, bem ou mal, era o que ele fazia, mesmo.

Um dia, precisaram ir daqui para lá. Então, o governo propôs um arranjo: subiu nas costas do burro do povo, deixando-o a pé e a levar as duas malas. E se foram, tranquilos.

Ao desviarem o caminho para beber água num riacho, a lavadeira que lavava a roupa estranhou o arranjo e perguntou:

– Que animal bonito! De quem é esse burro?

– É meu, disse o povo.

– Olha, não que eu queira me meter na vida de vocês, mas, se é seu, por que é ele (o governo) quem está montado neste burro?

O governo ficou irritado: não haveria de ser uma simples lavadeira a ter autoridade para questionar o arranjo que funcionava tão bem. Porém, diante da dúvida do povo, mudaram as posições. Agora, as malas foram para o lombo do burro e o burro foi para as costas do povo. O governo trilhou ao lado de ambos, até um pouco distante para não dar muito na vista (era, afinal, um governo com pruridos).

Ao desviarem o caminho para sentar à sombra da árvore para um lanche, o pastor que pastoreava ovelhas estranhou o arranjo e perguntou:

– Que animal bonito! De quem é esse burro?

– É meu, arfou o povo, momentaneamente aliviado do peso daquela burrice toda.

– Olha, não que eu queira me meter na vida de vocês, mas por que tanta carga está pesando nas costas do povo?

O governo ficou irritado outra vez: não haveria de ser um simples pastor a ter autoridade para questionar o arranjo que funcionava tão bem. Porém, diante da dúvida do povo, mudaram as posições. Agora, o burro, o governo e o povo andaram lado a lado, a mala do governo sobre o lombo do burro, o povo levando sua bagagem.

Ao chegarem no destino, o dono da venda que vendia víveres estranhou a maneira de viajarem e perguntou:

– Que animal bonito! De quem é esse burro?

– É meu, né?, duvidou o povo, consultando o governo com os olhos.

– Olha, não que eu queira me meter na vida de vocês, mas por que não usam essa força toda para aliviar o fardo do povo?

Aí o governo perdeu as estribeiras de vez: parece que todo mundo resolvera ter autoridade para questionar o arranjo que funcionava tão harmoniosamente. Ainda bem que já haviam chegado ao fim da fábula.

Imoral da história: o único que, diante do óbvio, nunca tem dúvidas sobre os arranjos do governo é o burro.

__________
* Rubem Penz, nascido em Porto Alegre, é escritor e músico. Cronista desde 2003, atualmente está nas páginas do jornal Metro. Entre suas publicações estão “O Y da questão” (Literalis), “Enquanto Tempo” (BesouroBox) e “Greve de Sexo” (Buqui). Sua oficina literária, a Santa Sede – crônicas de botequim, dez antologias, foi agraciada com o Prêmio Açorianos de Literatura 2016 na categoria Destaque Literário. Em RUBEM escreve quinzenalmente às sextas-feiras.

Anúncios
Posted in: Uncategorized