Hoje o céu está tão lindo! [Cícero Belmar]

Posted on 23/09/2019

1



Exatamente às 4h50 desta segunda-feira, 23 de setembro de 2019, iniciou-se a Primavera. Não sei o que isso quer dizer para quem está lendo o texto agora. Talvez seja a simples passagem do tempo para uns. Uma época mais poética para outros. Mas eu gosto da conotação dos esotéricos, que veem a entrada da estação como o início das renovações espirituais e das energias.

É importante falar da Primavera neste momento em que o mundo parece estar ficando mais triste. Não sei se faço essa afirmação movido por esse clima baixo astral que vem da política e da economia, ou ainda das frustrações com as mazelas sociais. Mas o fato é que tenho mesmo a sensação de que as pessoas, todos nós, estamos nos desencantando.

Não tenho em mãos uma pesquisa que comprove o que digo: concluo pelo que vejo no dia a dia que aumentou o número de pessoas que estão se queixando de estresse, preocupação e mágoa. É comum ouvir a indagação: o que está acontecendo com o mundo? Parece que há mais obstáculos para se viver, ninguém está se entendendo, a impaciência e a intolerância dominam as relações. E isso provoca amargura, raiva, infelicidade.

Daí por que é importante, sim, pensar a Primavera como uma época de transformações. Em termos da natureza, nem se discute. É visível que o clima e as plantas mudam. Mas a proposta mística é de que a gente pense que a mudança da natureza implique o mesmo, simultaneamente, dentro de nós. No sentido de mudança de atitudes, de um novo ciclo, possibilitando algumas renovações.

É uma época que tem a ver, inclusive, com o Vento. Ele chega para afastar as nuvens do inverno que acaba de ficar para trás. Se deixarmos que o vento carregue certas coisas, ficamos naturalmente mais leve. O que segue é coisa que se expande, que vai além do aqui e agora.

É claro que os problemas econômicos estão desgastando nossas conquistas; o alto índice de desemprego vem mexendo com a autoestima das pessoas; somos provocados a todo instante com manifestações preconceituosas e agressivas. Em nível mundial, há muita incerteza e medo. Por essas e outras, as depressões e o suicídio viraram epidemia. De tal forma que foi necessário se institucionalizar o Mês Amarelo. Que se acaba dentro de mais uma semana.

Ou a gente pensa na vida fazendo a Pollyanna, com mais leveza, ou se entrega à morbidez. Então, dá licença. Já que a Primavera também é a Estação da Luz, uma vez que a luz do sol se expõe com mais força, por que não permitir que essa luz ilumine novos acontecimentos em nossas vidas, que ela melhore nosso humor, nos deixe mais simples?

Não é papo de autoajuda: o Sol, no seu caminhar, nos traz aprendizagens. Mas é preciso que eu, que você, que todos nós saibamos nos dispor. Que eu me permita sentir esse clima mais ameno. Hoje o céu está tão lindo, diz música de Tim Maia: que todos sintam o desejo de se integrar à natureza e aos outros. Para fazermos trocas. Para tentarmos novos inícios.

__________

Cícero Belmar é escritor e jornalista. Autor de contos, romances, biografias, peças de teatro e livros para crianças e jovens. Pernambucano, mora no Recife. Já ganhou duas vezes o Prêmio Literário Lucilo Varejão, da Fundação de Cultura da Prefeitura do Recife; e outras duas vezes o Prêmio de Ficção da Academia Pernambucana de Letras. É membro da Academia Pernambucana de Letras. Email: belmar2001@gmail.com; Instagram: @cicerobelmar. Na RUBEM, escreve quinzenalmente às segundas-feiras. 

Posted in: Crônicas