Frases atiradas à chuva e ao vento [Raul Drewnick]

Posted on 12/03/2017

3



Raul Drewnick*

Gosto dos humoristas atuais, embora ache que lhes falta um pouco de seriedade.

 ***

Eu apreciaria escrever como se fosse um avô batendo pregos na madeira para fazer diante dos maravilhados olhos do neto a casinha de um cachorro que a ocupará quando Papai Noel o trouxer.

***

Depois que se vai a ilusão da obra-prima, vai-se todo o resto. Trabalha-se, trabalha-se, mas nada além disso. Trabalha-se. É triste trabalhar assim.

***

Toda vez que passo pela estante, imagino o que estará comentando o velho Machado com suas vírgulas ali em cima, na letra A. Nunca lhe pergunto. O mestre anda casmurro.  Deve ser alguma querela literária com o vizinho Alencar.

***

Morrer é só um desfalecimento da memória.

***

O amor é persistente como um agouro, exasperante como um pecado e persistente como uma maldição.

***

Deixai passar, deixai correr, deixai findar, deixai morrer.

***

Se um poeta se recusar a falar do amor, pode-se louvar sua ousadia, mas deve-se deplorar sua decisão.

***

Para um haicai, uma chuva sempre cai como uma luva.

***

Se for o caso de fazeres mau juízo de ti mesmo, convém que o faças antes que outros, com mais sólidos argumentos, venham a fazê-lo.

***

Na poesia, muito mais do que na prosa, o essencial não está no que dizer, mas em como dizê-lo. E, às vezes, em dizê-lo sem dizer.

***

Até os bocejos, nela, se abriam com a delicada lentidão de um lírio.

***

Por artes da ortoépia ou da ortoepia, ninguém mais sabe se fez a assépsia ou a assepsia.

***

Não fica nada bem a um homem chorar como um menino órfão ou um bezerro desmamado. Mas como alivia chorar assim, mugir assim lastimosamente.

***

Apesar dos esporros, as rimas obstinam-se e engatam-se como cachorros.

***

Quem precisa dialogar com a consciência é porque não confia na qualidade dos seus monólogos.

***

Se você está decepcionado com a vida, imagine o que ela pensa de você.

***

Politicamente correto é uma expressão que cada dia parece mais uma contradição em termos.

_________

Raul Drewnick é jornalista, trabalhou 32 anos no Estado de São Paulo e na antiga revista Visão. Escrevia crônicas para o Caderno2 e para o caderno Cidades do Estadão, além da Vejinha/São Paulo, Jornal da Tarde e o antigo Diário Popular. Escreveu os livros de crônicas “Antes de Madonna” (Editora Olho d’Água) e “Pais, filhos e outros bichos” (Lazuli/Companhia Editora Nacional), além de ter feito parte de coletâneas e antologias. Possui um livro de contos e duas dezenas de novelas juvenis. Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos domingos. 

Anúncios
Marcado:
Posted in: Crônicas