Minha biblioteca, adeus [Domingos Pellegrini]

Posted on 20/07/2015

0



(Imagem: Ariadiny Giradi) 

Domingos Pellegrini*

Doei aos presídios e à biblioteca pública mais uma Minha Biblioteca.

A primeira, doei quando me descasei, livros de iniciação cultural, politização e devoções que se vão, como o socialismo.

A segunda Minha Biblioteca doei quando fui morar três anos em São Paulo, livros de indagação, procura e paixões trintonas e também passadas, como o anarquismo.

A terceira Minha Biblioteca doei quando voltei de São Paulo, livros de revelação espiritual, superação mental, transformação pessoal.

Agora, estou me descartando da quarta Minha Biblioteca simplesmente porque não vejo mais sentido em manter uma biblioteca que pouquíssimo consulto, os livros como cadáveres às minhas costas – pois livro que não se abre é livro morto, não?

Que revivam noutras mãos, entrem noutras cabeças, continuem a semear idéias, emoções e transformações.

Deixando de ser “minha”, será realmente biblioteca, os livros passando de um presidiário para outro, diminuindo suas penas, ajudando – espero – a se tornarem pessoas melhores para o retorno à sociedade.

Na biblioteca pública, espero que os livros que me marcaram na juventude, e que depois voltei a comprar e reler saudoso, também envolvam de letras o coração de outros jovens, descortinem visões e movam transformações. E que esses jovens leitores possam um dia, homens maduros, repetir este gesto de doar o que foi precioso e, hoje, só tem valor se passar para outros, para a frente, para o futuro.

 Mas que saudade fina e boa rever algumas capas! Que velho deleite folhear páginas memoráveis! Seja de sangue ou de livros, a doação é uma dolorosa alegria.

Cheguei aos 66, idade que, há um século, já era fatal e, hoje, conta com décadas de vida ainda. Mas quem sabe uma doença não me atropela ou um caminhão resolve me livrar de toda doença. Quero partir sem deixar enroscos, testamento feito, legado literário organizado, ou, conforme Manuel Bandeira, “a cama feita, a mesa posta, cada coisa em seu lugar”.

Duas caixas de livros irão para uma biblioteca em Araucária a que resolveram dar meu nome.

Muitos livros tem dedicatória para mim, e se os autores um dia depararem com eles na biblioteca pública (ou no presídio), saibam que não tive intenção de menosprezar. Ao contrário, é por amor que os envio ao mundo, como fazemos com os filhos.

Adeus, meus queridos! Sejam felizes, folheados e lidos, livres do purgatório da Minha Biblioteca inútil!

E, se vos protegi do sol e da chuva durante tantos anos, permitam que agora, apenas neste minuto, em alguns de vocês caiam estas gotas nem doces nem amargas que chamamos de lágrimas.

__________
* Domingos Pellegrini é escritor, autor de contos, poesias, romances e romances juvenis. Ganhou o Prêmio Jabuti por suas obras “O Caso da Chácara Chão” e “O Homem Vermelho”, além de quatro outros Jabutis em segundo e terceiro lugares. Escreve crônicas para os jornais Gazeta do Povo e Jornal de Londrina. Na RUBEM escreve às segundas-feiras. 

Anúncios
Posted in: Uncategorized