Estratagema e outros ardis [Raul Drewnick]

Posted on 05/05/2019

4



Uma flor faz mais sentido quando interrogada pelo vento.

***

As maneiras de enaltecer o amor são tantas quanto os modos de maldizê-lo.

***

Estratagema é o tipo de recurso que usaríamos numa conquista amorosa, se não soasse tão pernóstico.

***

De um galho da ameixeira, meninos eu vi, brotar um bem-te-vi.

***

A melhor companhia que há é um gato escarrapachado num sofá.

***

Um haicai não é mão humana que o escreve; um haicai já vem pronto, um haicai se recebe.

***

É triste, mas é assim. Meu leão rampante é um cabrito derrapante que não fala latim.

***

Tudo é tão simples: viver, morrer.  O resto são aquelas elucubrações que delegamos aos filósofos, para não se sentirem inúteis.

***

Era um poeta boboca, desses que estão com todos os dentes sempre à disposição do riso.

***

Ele busca a verdade como quem na esquina escolhe uma rameira. Apalpa uma, em seguida outra, depois a última. Quando sobe para o quarto, não sabe se está com a primeira, a segunda ou a terceira.

***

Sinto-me como um morto antigo, do qual já nem a família se lembra muito bem.

***

Maria está tão solitária que quase foi atender à porta quando passou o caminhão gritando Cândida.

***

Sente-se desprezível. Não morreu de amor quando podia.

***

Entregou-se ao amor como um escravo e, se lamenta algo, é ter tão poucas cicatrizes no corpo para exibir.

***

Um morto é um ser perfeito. Nada pode melhorá-lo, nem os livros de autoajuda.

***

Pobres românticos antigos, envenenados, enforcados, exterminados pelas próprias mãos.

***

Se quem morre é um chato, é sempre mais fácil aceitar o fato.

***

Sou dócil por inteiro. Que não possa quem me matar me chamar de mau cordeiro.

_________

Raul Drewnick é jornalista, trabalhou 32 anos no Estado de São Paulo e na antiga revista Visão. Escrevia crônicas para o Caderno2 e para o caderno Cidades do Estadão, além da Vejinha/São Paulo, Jornal da Tarde e o antigo Diário Popular. Escreveu os livros de crônicas “Antes de Madonna” (Editora Olho d’Água) e “Pais, filhos e outros bichos” (Lazuli/Companhia Editora Nacional), além de ter feito parte de coletâneas e antologias. Possui um livro de contos e duas dezenas de novelas juvenis. Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos domingos. 

Anúncios
Marcado:
Posted in: Crônicas