Balaio de textos [Raul Drewnick]

Posted on 24/09/2017

5



Tudo que não é poesia me parece laico, prosaico, profano.

***

Se é tristeza o que você sente, diga. Se é desesperança o que você tem a escrever, escreva. O que você teme? Você se envergonha de causar compaixão?

***

Depois da morte, nossa vida nunca mais será a mesma.

***

Não, ainda não morri. Parece que respiro. E continuo escrevendo tão mal quanto sempre.

***

Os poetas de megafone derrubam quarteirões com suas rosas suburbanas e seus rosibéis.

***

Não há flores mais finadas do que as páginas de antologia.

***

O bom de estar morto é que se pode estar assim sem nenhum esforço.

***

Como é difícil a poesia do cotidiano: estar andando pela rua e não ter um cisne sequer à disposição.

***

Meu bom humor é como uma dessas roupas que se usam só em ocasiões muito especiais.

***

E, quando notamos, estamos já caminhando para o crepúsculo.

***

Da gramática é possível esperar os piores desaforos. Basta dizer que até os palavrões estão sob sua alçada.

***

A prosa pode contentar-se com a exatidão. A poesia deve aspirar sempre à perfeição.

***

Ele era um escritor persistente. Oitentão, o que mais podia ser?

***

Os filósofos não se satisfazem em pensar. Querem obrigar-nos a fazer o mesmo.

***

Não há nada que agrade mais aos poetas que um bom afago, embora eles sempre digam que não o merecem.

***

O sol da tarde, antes de se deitar no sofá, perguntou ao gato: “Posso, Majestade?”

***

Se eu tivesse morrido em 2010, seria hoje um defunto respeitável, com sete anos de experiência.

 ***

No sucesso das frases curtas, às vezes há mais sorte do que competência.

***

Os ideais são como passarinhos. Passam e deixam no ar, quando deixam, só um pio.

***

Abandonei meus vícios, todos. O amor? Bem, eu…

_________

Raul Drewnick é jornalista, trabalhou 32 anos no Estado de São Paulo e na antiga revista Visão. Escrevia crônicas para o Caderno2 e para o caderno Cidades do Estadão, além da Vejinha/São Paulo, Jornal da Tarde e o antigo Diário Popular. Escreveu os livros de crônicas “Antes de Madonna” (Editora Olho d’Água) e “Pais, filhos e outros bichos” (Lazuli/Companhia Editora Nacional), além de ter feito parte de coletâneas e antologias. Possui um livro de contos e duas dezenas de novelas juvenis. Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos domingos. 

Anúncios
Marcado:
Posted in: Crônicas