Estamos esperando o quê? [Mariana Ianelli]

Posted on 02/05/2020

0



O estado do mundo parece agora constrangedoramente bíblico, de Holofernes a Herodes, do desmazelo de Jó à fuga de Ló (e suas mulheres sem nome), do dilúvio à Besta do apocalipse. E a situação do Brasil está tão louca e desgovernada que, se extraterrestres ou demônios já estiverem entre nós, não será uma notícia particularmente surpreendente. Estamos esperando o quê? Passar isentos, guardar os nossos, e amanhã o quê? Vamos caindo dos nossos sonhos, mas nunca estamos acordados o suficiente? Nego à minha filha o mundo como o louco Domenico, que trancou sua família em casa durante anos a pretexto de protegê-los do fim dos tempos. Quase agradeço à nossa distração, que há cinquenta dias fez indolor o último momento de tantas coisas que, se soubéssemos últimas, nos teria desesperado completamente. Agora vamos nos desesperando aos poucos, enlouquecendo da boa loucura de atentar para o contagioso de cada gesto antes reflexo, vamos reaprendendo com os bichos o faro e as orelhas espetadas quando começam os gritos de uma briga na avenida, e todo dia é uma briga, uma guerra contra pestes visíveis e invisíveis, e o expediente aflito do esconjuro para espantar a morte que fala em comunicados oficiais, surfando a curva sempre mais alta do número de suas vítimas. Nem é mais visto como um pendor romântico pensar em termos de despedida, nem precisamos de encenar um quadro de artista para olhar de repente com melancolia para tudo e nada, com pena dos nossos pequenos mundos temporariamente perdidos. Temporariamente? Ainda pensamos que amanhã vamos reabrir a porta pulando o vão desses dias como apenas um recesso forçado, uma falha restaurável no piso? Ou vamos nos prometer qualquer mudança que, à menor tentação de normalidade, descumpriremos? Ou já estamos trabalhando numa passagem, ainda sem bem atinar como, e o luto alheio é também o nosso, e a vida que vier, para além da nossa vontade, será depois da vida que tínhamos?

_________

Mariana Ianelli é escritora, mestre em Literatura e Crítica Literária pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, autora dos livros de poesia Trajetória de antes (1999), Duas chagas (2001), Passagens (2003), Fazer silêncio (2005 – finalista dos prêmios Jabuti e Bravo! Prime de Cultura 2006), Almádena (2007 – finalista do prêmio Jabuti 2008), Treva alvorada(2010) e O amor e depois (2012 – finalista do prêmio Jabuti 2013), todos pela editora Iluminuras. Como ensaísta, é autora de Alberto Pucheu por Mariana Ianelli,  da coleção Ciranda da Poesia (ed. UERJ, 2013). Estreou na prosa com o livro de crônicas Breves anotações sobre um tigre (ed. ardotempo, 2013). Depois, escreveu Entre imagens para guardar (ed. ardotempo, 2017), também de crônicas. Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos sábados.

Posted in: Crônicas