O pastorzinho das estrelas [Tiago Maria]

Posted on 19/03/2020

4



Quando a madrugada alta desbota em tons de cobre, e a lua já sopra um bocejo cortante sobre os telhados – ele aparece. Veste uma samarra faiscante, meias-calças de pele e polainas de couro. Traz Leo e Ursa Major a cabresto. Aries e Gemini saltam dois buracos negros e seguem no brete até Alvorada. Aos poucos, uma de cada vez, vão desvivendo. O rebanho constelação alinhado, Pictor, Monoceros, Phoenix, Scorpius, Sagitta e Taurus. Conhece todas pelos nomes, Columba, Hydra, Capricornus, Lyra, Lupus, Orion, Pisces e Virgo. Escondidas numa nebulosa, Alnilam, Alnitak e Mintaka, não dão nuvem para os trovões do pastorzinho.

O Cruzeiro do Sul indica um melhor cortelho às estrelitas meninas. A domesticação celeste aconteceu sobre as nossas cabeças, no período matutino, enquanto admirávamos os nossos umbigos e celulares. Para ver o pastorzinho trabalhando, só tendo autorização, em duas vias, com carimbo nas doze casas do Zodíaco. Nos dias de chuva, depois da lida, ele senta na beira do cosmos, cajado minguante a observar coisa mais extraordinária, bizarra e excêntrica, como é estranha e frágil aos seus olhos a humanidade. Prefere o cheiro das estrelas.

E antes mesmo de o Sol esticar sua cabeleira loira sobre o oceano imenso, Dalva se despede de Aquila num eterno até breve. Apressa a toada e o confinamento. Malhada de umas sete cadentes escapa num lusco-fusco sideral. É cedo ainda. A noite calou faz pouco. O presente sorriu em Aurora escancarada. O pastorzinho refaz a contagem, para cada estrela uma pedrinha da lua. São tantas pedrinhas lunares, para quantos astros na estrelaria. A conta sempre fecha. E não prega o olho enquanto não cerra a porteira de Vésper. O dia nasceu mansinho.

_________

E com vocês, por mais incrível que pareça, Tiago Maria, brasileiro, cansado, 38 anos, cardioinsistente. Profissão: esperança.

Idealizador da Oficina Litehilária Crônicas de Graça. Participou das antologias Santa Sede Crônicas de Botequim safra 2013, Cobras na Cabeça crônicas (ir)reverentes e Maria Volta ao Bar. Premiado na maratona de escrita criativa, promovida pelo Instituto Estadual do Livro (IEL), durante a 62ª feira do livro de Porto Alegre. Publica toda terça no blog tiagomaria.wordpress. Na RUBEM, escreve quinzenalmente às quintas-feiras.

Marcado:
Posted in: Crônicas