Cássio Zanatta é um dos vencedores do Prêmio Nina Horta

Posted on 19/01/2020

0



Cássio Zanatta, cronista da RUBEM, foi um dos três escritores vencedores do Prêmio Nina Horta de Crônica Gastronômica. A divulgação aconteceu neste domingo (19/01), data que seria o aniversário da escritora que dá nome à premiação e que fazia, justamente, crônicas sobre gastronomia. Nina Horta morreu em outubro de 2019. A partir do mote da “gastronomia”, foram inscritas 735 crônicas no concurso. A principio, pretendia-se premiar apenas uma crônica, mas a comissão julgadora entendeu que, com a expressiva participação, era possível estender a premiação para os três primeiros.

Os julgadores consideraram que a crônica “O perfume da manga”, de Cássio Zanatta, merecia ser uma das vencedoras e lhe concedeu o segundo lugar. O primeiro lugar ficou com Mariana Vieira, autora de “Afiar de facas”. Em terceiro, Márcia Borges Martini, com “Comida de velório”.

O júri foi composto por 5 pessoas, somadas a outras duas na parte final, quando restavam 30 crônicas. Consta que os jurados ficaram surpresos com a alta qualidade dos textos, afirmando que foi difícil chegar a uma decisão.

Nina Horta: escritora fazia crônicas sobre o mundo gastronômico. 

Em breve, a comissão organizadora divulgará o conteúdo das crônicas premiadas. RUBEM, no entanto, já adianta a crônica que garantiu o segundo lugar a Cássio Zanatta:
.

O perfume da manga [Cássio Zanatta]

Entro na cozinha e me captura o perfume de uma manga. Num segundo me invadem outros anos. Devia ser obrigado a todo mundo ter em casa uma manga ou uma goiaba ou caju para fazer cheirar. E então, esquecer um instante as aporrinhações, os tropeços e os telefonemas que não se quer receber.

O perfume me chuta sem apelação pela janela do oitavo andar; por medo de altura, fecho os olhos. E despenco em um quintal de São José, dou com minha mãe chupando manga.

Nunca vi alguém mais louco por manga. Diante de uma coquinho, ela se transformava, disputava a fruta no tapa com os marimbondos. Vitoriosa, cravava os dentes e com eles puxava a casca, revelando o amarelo da polpa e aquele perfume que tanto ornavam com ela. Então, virava uma moleca, lambuzava a boca, o queixo, os dedos, tudo pegava manguice.

Sabia o leitor que o fio dental foi inventado por uma boca fissurada por manga? Não há comprovação científica para tal afirmação, mas é bem possível que assim tenha sido. O fiapo no dente é a única contraindicação da manga.

A verdade é que não fui chutado pela janela não, me empolguei um pouco na imagem; apenas peguei a manga na fruteira e a descasquei. Não era uma coquinho, era espada, das bitelas, exigia a ajuda de uma boa faca ou do canivete do meu pai, que ficou para o irmão do meio.

Descascar manga com faca reduz um bom tanto do encanto. Sem contar que sou preguiçoso e inábil em descascar. Talvez por isso prefira as bananas, mexericas e frutas do conde, mais facinhas. Para descascar laranja ou lima, a vida toda dependi do socorro de uma boa alma.

Pronto. A manga está descascada, só espera pela mordida, seu amarelo-ouro brilha feito um tesouro melado. Antes, reparo que, na minha falta de jeito, deixei uns belos nacos presos à casca. Não vou jogar fora, vou deixar no cantinho da janela aberta. Quem sabe venham umas abelhas e marimbondos e aproveitem esse resto.

Só pena mesmo que dona Celina não vá surgir de repente, mostrar aos bichos quem manda, se deleitar e depois me abrir aquele sorriso muito branco, com amarelos em volta da boca e fiapos nos dentes.

Em todo caso, deixo o fio dental de butuca.

Posted in: Crônicas