Uma porção de nadas [Raul Drewnick]

Posted on 28/07/2019

2



Embora hoje possa não parecer, nasci para escrever.

***

Na vida de um escritor, não há como escapar. Só há dois modos de ser: ou viver para contar, ou contar para viver.

***

Honro minha espécie, sou dócil por inteiro. Que não possa  quem me matar chamar-me de mau cordeiro.

***

Aos oitenta, para o poeta mais vale um bom prato de polenta e um pote de geleia que os dez cantos de uma epopeia.

 ***

Escrever tem sido igual, desde a primeira vez, tantas décadas atrás. O que vem mudando é a esperança, cada dia mais mirrada.

***

No terreno baldio, a placa: é proibido jogar gatos.

***

Mulheres não mais. Para o velho agora só prescrevem vitaminas e sais minerais.

***

Quem fala com seus botões dá pano para mangas.

***

Para os preguiçosos e para os que têm calos nos pés, um passo já é meio caminho andado.

***

Como diz um velho político, a moderação é tão alta virtude que mesmo a honestidade, quando praticada, deve levá-la em conta.

***

Se um dia me baixar o santo, que seja um de primeira: ou o Padre Eterno ou o Padre Vieira.

***

Conte a um poeta romântico seus sucessos amorosos, mas jamais as desilusões, a menos que você deseje matá-lo de inveja.

***

Venho descobrindo que minha maior contribuição para a literatura pode ser escrever cada vez menos ou definitivamente mais nada.

***

As mulheres inalcançáveis são as que inspiram as melhores escadas, os mais eficazes venenos e os suicídios mais justificáveis.

***

Hoje, se pensa no sexo e em suas engenhosas práticas, seu  sorriso é o mesmo que abre ao se lembrar de bolo de fubá que a avó fazia quando ele era menino.

***

Gostaria de ser um mártir que, morrendo pelo amor, pudesse repetir o calvário quantas vezes quisesse.

***

Sente-se como alguém que subitamente, num velório, descobre que está deitado porque é o morto.

_________

Raul Drewnick é jornalista, trabalhou 32 anos no Estado de São Paulo e na antiga revista Visão. Escrevia crônicas para o Caderno2 e para o caderno Cidades do Estadão, além da Vejinha/São Paulo, Jornal da Tarde e o antigo Diário Popular. Escreveu os livros de crônicas “Antes de Madonna” (Editora Olho d’Água) e “Pais, filhos e outros bichos” (Lazuli/Companhia Editora Nacional), além de ter feito parte de coletâneas e antologias. Possui um livro de contos e duas dezenas de novelas juvenis. Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos domingos. 

Anúncios
Marcado:
Posted in: Crônicas