Esse mundo [Elyandria Silva]

Posted on 16/04/2019

0



É uma era tão nova, e ao mesmo tempo velha, usada, repetitiva, essa que vivemos atualmente. De mutilação cultural, de confusões ideológicas, de movimentos sem palavras. Tem situações que presencio, vivo, que me causam a sensação de um “déjá vu”. Onde foi que isso aconteceu? Li em algum lugar? E então me lembro de “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley, um livro tão ficcional quanto real se considerarmos os acontecimentos de um mundo encoberto pelo surreal. Deixamos para os cientistas pensarem qual será o futuro da humanidade, o nosso futuro.

A intrincada estrutura social, partindo dos aspectos capitalistas, oriundos do constante “progresso” é o tema central deste livro, publicado em 1932. Uma sátira à era pós Ford escrito por um homem extremamente culto. A ausência da liberdade de escolha, o consumo imposto de “pílulas de felicidade”, a angústia do totalitarismo são algumas das muitas necessárias e importantes reflexões geradas por “Admirável Mundo Novo”. No livro o amor é proibido, o sexo estimulado, a alienação mental aceita e propagada. Me parecem os mesmos perigos dos tempos atuais.

Uma história ideal para desembarcar da utopia na realidade da atmosfera da vida de cada um de nós, da minha, da tua, e de pensar, mesmo sem aceitar, mesmo com medo, no fato de estarmos prisioneiros do mundo social vigente. Huxley fez na ficção profecias terríveis que cá estamos a viver…

________

Elyandria Silva é escritora, autora de “Labirinto de Nomes” (Moleskine, 2012), “Fadas de pedra” (Design Editora, 2009, Contos) e de “Um lugar, versos e retalhos” (Design Editora, 2010, poesia). Escreve para o Correio do Povo e tem textos publicados nas coletâneas “Contos jaraguaenses” (Design Editora, 2007), “Jaraguá em crônicas” (Design Editora, 2007), “Palavra em cena” (Design Editora, 2010, Dramaturgia), “Preliminares” (Sesc, 2009, Contos e Poesia) e “Mundo infinito” (Design Editora, 2010, Contos). Na RUBEM, escreve quinzenalmente às terças-feiras.

Anúncios
Posted in: Crônicas