Curtinhas e provavelmente bobinhas [Raul Drewnick]

Posted on 02/12/2018

2



No caso dos poetas, a tristeza passa às vezes a impressão de ser só uma demonstração de habilidade profissional.

***

Não me diga a verdade. Minta-me sempre. Se possível, poeticamente.

***

A galinha ao pintinho: cresça e apareça.

***

A casa ao botão: na próxima vez não te deixo entrar.

***

São Paulo é a terra da garoa e do Corinthians.

***

A ideia de morte pousa em mim toda tarde, como a borboleta na ameixeira.

***

Todo provérbio tem o nariz empinado.

***

A morte constitui uma oportunidade única: é pegar ou largar.

***

Para todos os fins, especificamente os amorosos, declaro que sou ignorante e já nem um pouco disposto a aprender.

***

Chamar os parentes de familiares não lhes melhora a reputação.

***

Obscurantistas são os escritores que tapam o sol com peneira.

***

Estou disponível para o amor sempre, dia sim dia sim.

***

Que ninguém se aproxime de mim, a não ser com intenções estritamente amorosas.

***

Poemas concretos não caem do céu. Felizmente.

***

Estou velho demais para começar a aprender seja lá o que for. Preciso continuar fingindo que acredito em mim como poeta.

***

A literatura é um sonho esdrúxulo que alguns adolescentes mantêm até o fim da vida.

***

Se todos nós fôssemos mesmo poetas, o Brasil seria a maior poetaria do mundo.

***

A primeira escolha dos poetas românticos não era viver por amor. Era morrer por ele.

***

Mario Quintana tinha dois jeitos principais de ser: um simples, muito simples; o outro, mais simples ainda.

                                                                          ***

Tenho sonhado que sou Borges e que estou indo para Estocolmo.

***

Poesia não é beleza. É a esperança de encontrá-la.

_________

Raul Drewnick é jornalista, trabalhou 32 anos no Estado de São Paulo e na antiga revista Visão. Escrevia crônicas para o Caderno2 e para o caderno Cidades do Estadão, além da Vejinha/São Paulo, Jornal da Tarde e o antigo Diário Popular. Escreveu os livros de crônicas “Antes de Madonna” (Editora Olho d’Água) e “Pais, filhos e outros bichos” (Lazuli/Companhia Editora Nacional), além de ter feito parte de coletâneas e antologias. Possui um livro de contos e duas dezenas de novelas juvenis. Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos domingos. 

Anúncios
Marcado:
Posted in: Crônicas