Poesia, provérbios, chatos

Posted on 23/09/2018

9



Numa tentativa de lirismo, o passarinho pousa no poema concreto.

  ***

A poesia e eu nos dávamos melhor no tempo em que não nos conhecíamos tão bem.

***

Vende-se poema concreto na Livraria Cultura do Conjunto Nacional. Corretores no local.

***

Narciso foi o precursor das selfies.

***

Escrever tem sido só o que faço. Escrevo, escrevo. Sobre o que escrevo? Acho que, basicamente, sobre o ato de escrever.

***

Quem oferece afeto, só, é um sovina, mesmo que se trate de um primeiro encontro.

***

Estive pensando no que eu faria hoje, se depois de tantos anos te encontrasse. Já sei. Com todo o respeito, ou nenhum, te daria um tapa na bunda.

***

Não tenho nada. Tudo me falta. Meu único orgulho é minha pressão alta.

***

Sou um homem moderno. Seja qual for o fato, aceito sempre a pior das versões. Se me dizem que alguém é desonesto, acredito imediatamente.

***

Morrer é uma atividade da qual ainda não fomos chamados a participar.

***

Um chato é sempre um contador de histórias perfeito, talvez porque conte sempre a mesma: a própria.

***

Nada como as biografias. Elas conseguem transformar num fato precioso até a mais dolorosa das fomes da infância.

***

O chato reformula ininterruptamente sua teoria sobre a criação do mundo e naturalmente faz questão de nos manter atualizados.

***

A maioria dos provérbios não resiste quando expostos ao sol.

***

Os provérbios respeitáveis devem ter pelo menos cinqüenta anos e andar sempre com os documentos comprobatórios.

***

Os provérbios já nascem antigos.

***

Um provérbio que conheci outro dia me garantiu que freqüentou o colégio Dom Pedro II.

***

Um poema concreto é comedido. Cai do alto da prateleira e não dá um gemido.

 ***

Os sonetistas costumam ser muito piores que os sonetos.

_________

Raul Drewnick é jornalista, trabalhou 32 anos no Estado de São Paulo e na antiga revista Visão. Escrevia crônicas para o Caderno2 e para o caderno Cidades do Estadão, além da Vejinha/São Paulo, Jornal da Tarde e o antigo Diário Popular. Escreveu os livros de crônicas “Antes de Madonna” (Editora Olho d’Água) e “Pais, filhos e outros bichos” (Lazuli/Companhia Editora Nacional), além de ter feito parte de coletâneas e antologias. Possui um livro de contos e duas dezenas de novelas juvenis. Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos domingos. 

Anúncios
Marcado:
Posted in: Crônicas