Pernas tortas [Daniel Cariello]

Posted on 09/02/2017

0



Daniel Cariello*

– Querem ver o Mané Garrincha jogar? – Perguntou meu avô.

– Queremos! – Respondemos quase em uníssono meu pai, meu irmão e eu.

A proposta nos pegou de surpresa em meio a um almoço de Natal. Era uma chance imperdível de ver ao vivo o jogador sobre quem já havia escutado inúmeras histórias, trazidas pela memória infalível de meu pai e pelo lirismo de meu avô.

– Ele tem as pernas tortas, por isso mesmo ninguém conseguia pará-lo. Foi o grande craque da Copa de 62. – Dizia um.

– E chama todos os seus marcadores de João. Era comum deixá-los tão perdidos que acabavam caindo no campo, desconcertados. – Completava o outro.

– Uau – Espantávamos meu irmão e eu, garotos que sonhávamos jogar na seleção.

A partida ocorreria em Planaltina, naquele 25 de dezembro de 1982. Era uma das exibições que Mané passou a fazer depois de pendurar as chuteiras, para descolar alguns trocados. Compramos os ingressos sem dificuldades, não estava cheio, e tratamos de escolher um bom lugar, do lado pelo qual ele atacava.

Já com quase 50 anos, Garrincha não tinha mais o mesmo fôlego e nem a mesma saúde de seus anos de ouro, mas ainda era capaz de levantar as arquibancadas. Como ocorreu no momento em que dominou a bola no lado direito do campo e parou diante de um João, exatamente em frente onde estávamos. Ficaram, Mané e João, um encarando o outro, estáticos, a pelota entre eles, naquela calmaria que antecede a tempestade. O público prendeu o fôlego.

– Olha lá, Pedro, as pernas dele são tortas de verdade! – Sussurei.

– E o que ele vai fazer agora? – Quis saber meu irmão.

– Não sei…

Provavelmente nós dois éramos os únicos ali a não conhecer o roteiro que se seguiria, repetido inúmeras vezes ao longo da carreira do gênio da bola.

Como se o tempo não tivesse passado, naquele momento o pequeno estádio Adonir Guimarães era o Maracanã e aquele João era Jordan, considerado o melhor marcador do gênio, Mané jogou o corpo pro lado. O João foi junto. Depois, balançou para o outro. O João bailou com ele. Em seguida, sacudiu novamente para a direita e, quando parecia que voltaria à posição inicial, deu um leve toque na redonda, levando-a consigo rumo à linha de fundo, de onde cruzou para um felizardo atacante. O João ficou para trás, sem saber o que havia acontecido.

Não me lembro se o lance resultou em gol ou não. E isso não tem nenhuma importância. A sorte do dianteiro sobre quem me refiro era que, naquele momento, ele estava recebendo o último cruzamento de Garrincha, que saiu do jogo em seguida e da vida menos de um mês depois, em 20 de janeiro de 1983. A pequena torcida, encantada, aplaudiu pela derradeira vez o maior mágico do futebol de todos os tempos.

Mais tarde, em uma justa homenagem, Mané Garrincha virou nome de estádio em Brasília. Depois desvirou, virou de novo e quase desvirou novamente, numa récita que parece a narração de seus dribles. Felizmente, depois de tantas reviravoltas, o episódio do nome terminou como as fintas do craque, deixando todos os joões para trás.

* Esse texto faz parte do livro Cidade dos Sonhos, lançado em 2015 pelo selo Longe.

_________

Daniel Cariello já foi office-boy, guitarrista e tecladista em banda de rock, publicitário, jornalista e escritor, além de cronista para veículos como Le Monde Diplomatique online, Meia Um e Veja Brasília. Lançou dois livros de crônicas pelo selo Longe, do qual é um dos criadores. Colabora com a RUBEM às 5ª feiras. 

Anúncios
Posted in: Crônicas