Para sua idade [Cássio Zanatta]

Posted on 16/01/2017

1



Cássio Zanatta*

Para sua idade, até que o colesterol não está tão alto. Para sua idade, bem que você encara firme uma noitada. Mas bebe muito e errado, paga imposto demais, insiste em ler com pouca luz, já repete algumas histórias e faz planos muito a longo prazo, para sua idade.

Para sua idade, você sobe com agilidade em árvore, não desaprendeu essas intimidades. Nem atrapalhou tanto assim o time na pelada. Ouve bem as confissões, respeita os segredos. Tem desenvoltura em descascar mexerica. E se lembra das coisas, embora muitas delas teria sido melhor esquecer.

Para sua idade, olha que você tem bastante cabelo. Mas esse cumprimento até os ombros, essa camisa florida, esses óculos escuros de aros de metal, essas gírias ultrapassadas, vamos combinar que são ridículos. E essas piadas que há trinta anos já não faziam rir, francamente.

Boxe, escalada e uma paixão súbita talvez não sejam para sua idade.

Até que você não dirige tão devagar, não sofre de insônia, não se atrapalha com as contas, tropeça com compostura, tem dores bem suportáveis. Mas essa coisa de manchar a camisa a cada refeição, tem que ver isso aí. Tem cabimento ainda sofrer com futebol? E nem vamos tocar no assunto da – não vamos tocar no assunto.

Para sua idade, seria bom se o menino e o homem se encontrassem com mais constância. Uma novidade pode ser muito perturbadora. Uma revelação, descoberta tarde demais. Uma declaração, motivo de orgulho, de vergonha, de orgulho, de vergonha. Para sua idade, você se esquece demais da sua idade.

Seria bom caminhar mais, mais rápido, mais decidido, mais isso e mais aquilo, mas o que fazer se bom mesmo é ficar parando para reparar? Também seria melhor evitar a pele crocante de frango, mas desprezar a pelinha do frango não é propriamente o que se pode chamar de vida.

Seu ouvido direito tem uma idade, o esquerdo, vinte anos menos. Da mesma maneira que não se entendem os olhos e o bom senso. Mas quem nunca erra a conta, é a pele cada vez mais enrugada da sua mão.

Para sua idade, você é rápido no gatilho, mas prefere as prosas lerdas. É um especialista em se cortar fazendo barba, um corisco em achar o livro que procura na estante, sumir com o café na xícara, se engasgar com amendoim, disfarçar bocejo.

Podia estar melhor, podia estar pior, estar meditando em Bali, cortando cana em Birigui, tocando sanfona em Mossoró, ouvindo Brassens em Aix, afundando o pé na neve em Chicago, mas também podia não estar.

Olha, para sua idade, até que você não está tão mal (juro que a menina disse isso).

__________

* Cássio Zanatta é cronista. Já foi revisor, redator, diretor de criação, vice-presidente de criação e voltou a fazer o que sabe (ou acha que sabe): redatar. É natural de São José do Rio Pardo, SP, o que explica muita coisa.  Na RUBEM, escreve quinzenalmente às segundas-feiras.

Anúncios
Posted in: Crônicas