Sobre tantas coisas que significam nada [Raul Drewnick]

Posted on 18/12/2016

5



Raul Drewnick*

Às vezes sinto-me como um dos pequenos órfãos de Dickens, enfiado numa pocilga, tendo como único passatempo catar pulgas no corpo e contar as chibatadas cada vez mais punitivas do algoz.

                                                                    ***

Sequestrado, o poeta parnasiano exigiu ser trancado no cativeiro com chave de ouro.

                                                                    ***

Sabe quando você se sente morto e tem medo de se apalpar, porque pode descobrir que não está?

                                                                     ***

Há escritores que sabem como empregar vírgulas. Em alguns, essa é a principal, e em outros é a única qualidade.

                                                                     ***

Desperdiçar a tristeza é o que de pior o poeta pode fazer. Espremê-la, espremê-la, até que ela deixe escorrer as últimas lágrimas.

                                                                     ***

O problema das igrejinhas literárias é a dificuldade de encontrar devotos; todos querem ser o papa, se não puderem ser deus.

                                                                     ***

Tiveram uma relação estreita. Quando quiseram estreitá-la, viram que estava estreita demais.

                                                                     ***

O suicídio, visto sem exageros, é só mais uma coisa da vida.

                                                                     ***

Às vezes penso que tudo em mim – até a tristeza – é falsificado.

                                                                     ***

Notando que a sua não era a criativa loucura dos gênios, conseguiu curar-se a tempo de se tornar um escritor de romances  com começo, meio e às vezes fim.

                                                                     ***

De alguns anos para cá, não tenho sido mais que um gato velho deitado no meu sofá.

                                                                     ***

Se eu fosse dono desta rua, você acha que ela ia se chamar General Pinto Salgado, minha amada Ofélia Lima de Oliveira?

                                                                     ***

Que alegre som faz teu berloque quando castigas meus ombros nus com teu ciumento chicote.

                                                                     ***

O amor deveria ser um assunto só de pássaros e borboletas.

                                                                     ***

No feriado o passarinho cantor devia ganhar cachê dobrado.

                                                                     ***

Escrevo sobre mim porque, embora não possa gabar-me disso, sou a pessoa que com maior freqüência anda comigo.

                                                                     ***

Sou como um homem que abriu um bar já nem se lembra como e agora não o sabe fechar.

_________

Raul Drewnick é jornalista, trabalhou 32 anos no Estado de São Paulo e na antiga revista Visão. Escrevia crônicas para o Caderno2 e para o caderno Cidades do Estadão, além da Vejinha/São Paulo, Jornal da Tarde e o antigo Diário Popular. Escreveu os livros de crônicas “Antes de Madonna” (Editora Olho d’Água) e “Pais, filhos e outros bichos” (Lazuli/Companhia Editora Nacional), além de ter feito parte de coletâneas e antologias. Possui um livro de contos e duas dezenas de novelas juvenis. Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos domingos. 

Anúncios
Marcado:
Posted in: Crônicas