Bastião da moralidade [Daniel Cariello]

Posted on 17/11/2016

1



Daniel Cariello*

Um deputado chega à chapelaria da Câmara e pede uma informação ao atendente.

— Então, queria saber onde fica o Setor das Propinas. Tem uma aí que não pude pegar.

— Não pôde, é?

— É, tinha designado o meu suplente para cuidar desse tipo de assunto, mas o cara foi cassado.

— Puxa, que chato.

— Nem me diga. Aí fica essa dor de cabeça. Eu mesmo preciso vir. Despenquei da minha cidade só para isso.

— Um transtorno.

— Enorme, enorme. Vou até perder a festa de aniversário da sobrinha do vizinho da minha ex-sogra.

— Lamento por Vossa Excelência.

— Obrigado. Em trinta anos nesta casa, é a primeira vez que uma situação dessas me acontece. Já foi mais simples. Tinha uma época que a gente recebia em cheque, num lindo envelope, fechado com cera quente. Coisa fina, de muito bom gosto.

— Lembro bem. Tempos de ouro.

— Muito ouro. Tudo funcionava direitinho. Eu chegava ao aeroporto, entrava em um táxi, buscava o envelope, tomava um café, fazia um discurso inflamado para a TV e voltava a tempo de pegar o penúltimo voo, porque o último sai muito tarde e eu gosto de dormir e acordar cedo.

— No que Vossa Excelência faz muito bem, senhor deputado. Deus ajuda…

— … a quem cedo madruga.

— É o que diz a sabedoria popular.

— E aí veio a época do depósito direto. Funcionou bem até aquele assessor dar com a língua nos dentes e obrigar todo mundo a abrir contas secretas em paraísos fiscais. A minha, por exemplo, está em Liechtenstein. Nem sei onde fica no mapa.

— Ninguém é obrigado a saber, senhor deputado.

— É o que eu sempre digo por aí. E é melhor assim. Se der zebra (bate na madeira três vezes, gesto repetido pelo atendente), ninguém poderá me obrigar a ir ao banco retirar o dinheiro.

— Muito sábio de vossa parte.

— Aí, tiveram essa ideia de criar o Setor das Propinas. É boa, admito. Escancarando a coisa, ninguém percebe. Quando tudo era escondido, sempre havia aqueles jornalistas que não tinham nada melhor para fazer e ficavam procurando informações confidenciais, pistas, conexões secretas.

— Esses jornalistas…

— O inconveniente é que agora alguém precisa passar para encher a maleta e assinar o recibo em três vias.

— Pra que tanta burocracia, Vossa Excelência?

— Pois é, pra… Ai, meu Deus!

— O que houve, senhor deputado?

— Ficamos aqui nesse papo bom e esqueci que tenho um pronunciamento agora, no plenário. Aproveitei que vinha e marquei na agenda.

— Posso perguntar qual o assunto do discurso de Vossa Excelência?

— Pode, claro. Vou esbravejar contra a corrupção que assola o nosso Brasil.

— Bravo! É gente como o senhor que constrói um país melhor.

 

* Esse texto faz parte do livro Cidade dos Sonhos, lançado em 2015 pelo selo Longe.

__________

Daniel Cariello já foi office-boy, guitarrista e tecladista em banda de rock, publicitário, jornalista e escritor, além de cronista para veículos como Le Monde Diplomatique online, Meia Um e Veja Brasília. Lançou dois livros de crônicas pelo selo Longe, do qual é um dos criadores. Colabora com a RUBEM às 5ª feiras. 

Anúncios
Posted in: Crônicas