O caderno [Daniel Cariello]

Posted on 10/11/2016

4



Daniel Cariello*

Encontrei na casa da minha avó uma caixa de papelão com várias revistas de minha adolescência. Não sei como foram parar lá as coleções de Bizz, a mais bacana publicação musical já editada no Brasil; de Casseta Popular, que de pornográfica só tinha o nome, para meu desespero pueril; de Chiclete com Banana, capitaneada pelo então jovem cartunista Angeli; e de diversos periódicos sobre linguagens de programação, assunto que me fascinava tanto quanto os outros.

Fiquei ali, folheando por horas as páginas bolorentas. Cada publicação aberta me levava um pouco mais longe nesta viagem rumo a meus 15 anos. Recordei-me do sonho de figurar em uma revista de música (se não fosse como artista em destaque, poderia ser como jornalista ou crítico, tudo bem), do desejo de escrever textos e quadrinhos de humor, alternando sem preconceito o escracho total e a sutileza absoluta, ou ainda, da vontade de me tornar um programador de computador, a “profissão do futuro”, segundo a mesma avó.

Quando minha psique já havia retornado à puberdade, encontrei, no fundo da caixa, um caderno cuja capa — com uma bota amarela e vermelha de motoqueiro em destaque — eu reconheceria de longe. Esse era um dos que eu usava para registrar ideias livres. Em suas páginas, diversas notas que um dia foram importantes para mim, como uma lista com sugestões de nome para minha recém-formada banda. Alternava a pseudointelectualidade de Prometeu e Escaramaças (o que diabos é uma escaramaça?), com a crítica ao sistema e a todo o resto, com O PC e a Coca-Cola (hein?) e Lenin, Stalin e Trotsky, além das denominações em um tão pobre quanto inevitável inglês, dando origem a pérolas como Shaman’s Feelings e Jumping Flyers.

Havia também letras manuscritas de canções que ainda hoje adoro, como The Killing Moon, Highway Star, Proteção e Faroeste Caboclo, com cifras para guitarra, sempre que possível, e uma tentativa de tradução macarrônica quando o idioma original não era o português. No fim das dez folhas dedicadas à música da Legião Urbana, ainda resistia uma declaração de amor a Priscilla, que jamais tive coragem de entregar.

Avancei mais um pouco e, entre rabiscos sem nexo, desenhos de rodapé, frases de efeito, palavras curiosas e suas definições, pensamentos coerentes ou não, trechos e acordes de músicas e anotações incompreensíveis, encontrei um par de folhas inexplicavelmente deixadas em branco. Feliz por me reconhecer inteiramente naqueles textos até então perdidos, peguei uma caneta, escrevi “O caderno” na primeira linha e comecei a redigir esta crônica, completando, enfim, a obra iniciada tantos anos antes.

 

* Esse texto faz parte do livro Cidade dos Sonhos, lançado em 2015 pelo selo Longe.

__________

Daniel Cariello já foi office-boy, guitarrista e tecladista em banda de rock, publicitário, jornalista e escritor, além de cronista para veículos como Le Monde Diplomatique online, Meia Um e Veja Brasília. Lançou dois livros de crônicas pelo selo Longe, do qual é um dos criadores. Colabora com a RUBEM às 5ª feiras. 

Anúncios
Posted in: Crônicas