A Internacional [Mariana Ianelli]

Posted on 05/11/2016

1



Mariana Ianelli*

Ela era um toquinho assim, uns cinco ou seis anos, e já sabia a Internacional de cor. Imagina só. Ficava de pé na mesa da sala, enchia o peito, e cantava. Orgulho do pai. Cantava com aquela seriedade que as crianças às vezes têm, quando se sentem muito importantes, e que ela reencenava quase aos noventa, de novo uma criança, seriíssima.

E como era mesmo a história da claraboia? A avó então contava, mais uma vez, como que para calcar na memória, até ganhar vida própria, a famosa polêmica do pai com seu Lázaro, um amigo muito católico, na casa da rua Abolição. O pai, esborrachando o punho na mesa: “Deus? Deus não existe!”. Ato contínuo, a claraboia se estilhaça. Parece que se estilhaça, é o que todos ouvem na casa. Quando vão ver, a claraboia continua lá, intacta. Depois disso, o pai não falou mais de Deus. Tornou-se espírita no fim da vida, mais ou menos na época daquela foto na estante do quarto da avó, ele de jaleco branco, olho no microscópio. Orgulho da filha, o médico da Light que um dia foi demitido porque pleiteava algo hoje conhecido como “adicional de insalubridade”, que até então não existia, para quem trabalhava com água até os joelhos.

Histórias como essas repousam. Deixam de ser contadas e parece que repousam. Até que um dia, longe de casa, num mercadinho de bugigangas para turistas, você encontra a Internacional numa caixinha de música, gira a pequena manivela, e o passado dá o bote, pega seu coração desprevenido, e ali fica você, ridiculamente emocionado, no meio de uma loja de souvenirs.

a-internacional

__________

Mariana Ianelli é escritora, mestre em Literatura e Crítica Literária pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, autora dos livros de poesia Trajetória de antes (1999), Duas chagas (2001), Passagens (2003), Fazer silêncio (2005 – finalista dos prêmios Jabuti e Bravo! Prime de Cultura 2006), Almádena (2007 – finalista do prêmio Jabuti 2008), Treva alvorada(2010) e O amor e depois (2012 – finalista do prêmio Jabuti 2013), todos pela editora Iluminuras. Como ensaísta, é autora de Alberto Pucheu por Mariana Ianelli,  da coleção Ciranda da Poesia (ed. UERJ, 2013). Estreou na prosa com o livro de crônicas Breves anotações sobre um tigre  (ed. ardotempo, 2013). Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos sábados.

Anúncios
Posted in: Crônicas