Só dois livros de crônicas na final do Jabuti

Posted on 22/10/2016

3



Ano após ano, é a mesma história: o Prêmio Jabuti reúne, inexplicavelmente, Contos e Crônicas em uma única categoria e o resultado é uma enxurrada de livros de contos na final e um ou outro livro de crônica – normalmente do Verissimo, porque, este, nem o Jabuti consegue ignorar.

Assim, entre os finalistas da malfadada categoria neste ano de 2016 está lá “As mentiras que as mulheres contam” (Objetiva), a mais recente antologia de crônicas de Luis Fernando Verissimo (leia a resenha da RUBEM).

A boa notícia é que, a despeito da teimosia da Câmara Brasileira do Livro em misturar gêneros, outro cronista conseguiu passar pelo crivo dos juízes e foi para final: o cearense Raymundo Neto. Podemos até dizer que houve um aumento de 100% dos cronistas na final, já que em 2015 só Humberto Werneck estava lá. Passamos de 1 para 2. Alvíssaras.

Crônicas absurdas

O feito de Raymundo Netto foi conseguido com o livro “Crônicas absurdas de segunda” (Demócrito Rocha), seleção de textos publicados entre 2007 e 2010 no jornal “O Povo”, de Fortaleza. Essas crônicas são “absurdas” porque a proposta do autor foi promover encontros fictícios com escritores e os botar para falar sobre Fortaleza. Raymundo se valeu da interpessoalidade, tentando captar voz, trejeitos e pensamentos de cada escritor para colocar em cada crônica.

Assim é que participam dessas crônicas personagens como Rachel de Queiroz, José de Alencar, Milton Dias, Clarice Lispector, Gonçalves Dias, Lima Barreto, Gregório de Matos, Airton Monte, Ana Miranda, Quintino Cunha, entre outros, vários deles locais.

Trata-se, portanto, de uma proposta criativa, que rendeu unidade ao conteúdo do livro, e que, ao envolver também nomes conhecidos da literatura, conseguiu comover os jurados do Jabuti, que o deixaram entrar na final, não obstante ser um livro de crônicas.

FORTALEZA, CE, BRASIL, 11-04-2015: Raymundo Netto, escritor. Lançamento do livro Crônicas de segunda, de Raymundo Netto, na sede do Jornal O POVO. (Foto: Tatiana Fortes/O POVO)

Raymundo Netto conseguiu ir para a final do Jabuti mesmo fazendo crônica. (Foto: Tatiana Fortes/O POVO)

Agora é esperar o resultado, que sai no dia 24 de novembro, para ver quem sairá prejudicado dessa vez, se os cronistas, como de hábito, ou os contistas que não terão um livro do seu gênero contemplado. Afinal, apesar de tudo, a cada cinco ou seis anos o vencedor é, contra todas as expectativas, um desses escassos livros de crônicas que passam para a final.

É verdade que o jabuti não é mesmo dos animais mais rápidos, mas já está mais do que na hora de criar categorias distintas para gêneros distintos, não é mesmo?

jabuti2

Tentativa de fazer o Jabuti sair do lugar e criar uma categoria para a crônica.

Anúncios
Posted in: Notícias