De gatos e de outros prodígios [Raul Drewnick]

Posted on 19/06/2016

6



Um gato deveria ser um acontecimento raro, um instante de pura magia, como, no espesso negrume da tarde, a repentina floração de um arco-íris.

                                                                 ***

Vi na tevê um cachorro tão esperto, fazendo coisas tão incríveis com uma bola de basquete, que me veio logo a frase: esse merecia ser um gato!

                                                                ***

Contra gatos não há argumentos.

                                                                ***

A cama é palco daquelas batalhas em que os conquistadores se empenham para ser conquistados e, para não haver dúvida, se rendem mais de uma vez.

                                                                ***

Que, se me restar ainda tempo, eu tenha a sabedoria de usá-lo falando só de amor, como sempre deveria ter feito.

                                                                ***

O amor é aquela farsa sem a qual não suportaríamos a crueza de viver. Os que juram amar-se sabem que mentem, mas absolvem-se porque incorrem naquela mentira que, entre todas, é a única que se pode considerar necessária.

                                                                ***

Não há como discordar. O modo mais natural de morrer é parar de respirar.

                                                                ***

Quase me envergonho da reverência que tinha por ti até nos sonhos e que me impedia de ir além dos beijos, mesmo quando mordiscavas minha orelha e me dizias vem!

                                                                ***

Definitivamente, não tenho coragem. A Morte precisará fazer tudo sozinha.

                                                                ***

O amor é ladino. Faz qualquer sanfona soar como um violino.

***

Dizer que o inferno são os outros é a mais perfeita forma de terceirização que conheço. Comenta-se que foi Sartre quem a criou.

                                                                 ***

Diante de um sabiá, Mario Quintana não cantava, para não constrangê-lo.

                                                                 ***

Não sei nada de nada. Sei de mim. Certamente não tudo, mas o suficiente para ter, de mim, a pior das opiniões.

                                                                 ***

Houve um tempo – curtíssimo – no qual, para saber o que era amor, eu não precisava importunar a memória nem consultar o dicionário.

***

O amor é um tolo distribuindo panfletos na esquina. Todos já o conhecem. Fazem-lhe o favor de estender a mão, apanhar um e agradecer, antes de atirá-lo fora, trinta metros adiante. Depois que distribui o último, o amor recolhe os que foram atirados ao chão e volta para a esquina, para redistribuí-los.

                                                                 ***

No amor, ou você choraminga ou você morre à míngua.

               ***

Zelda e Scott sabiam a dose exata de veneno de que cada um precisava para não serem apenas mais um casal chato.

__________

Raul Drewnick é jornalista, trabalhou 32 anos no Estado de São Paulo e na antiga revista Visão. Escrevia crônicas para o Caderno2 e para o caderno Cidades do Estadão, além da Vejinha/São Paulo, Jornal da Tarde e o antigo Diário Popular. Escreveu os livros de crônicas “Antes de Madonna” (Editora Olho d’Água) e “Pais, filhos e outros bichos” (Lazuli/Companhia Editora Nacional), além de ter feito parte de coletâneas e antologias. Possui um livro de contos e duas dezenas de novelas juvenis. Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos domingos. 

Anúncios
Marcado:
Posted in: Crônicas