Do amor e de como ele se expressa [Raul Drewnick]

Posted on 05/06/2016

5



Raul Drewnick*

Se expressássemos, mesmo, o que sentimos, se isso que nós dizemos ser amor chegasse mesmo como amor aos outros, a resposta certamente não seria esse silêncio.

                                                                      ***

O amor morreu há tanto tempo, e o aroma que dele ficou é este que, se não for o da santidade, bem parece e bem mereceria ser.

                                                                      ***

O verdadeiro registro da vida e dos sentimentos do homem é a arte. A história não é mais que um tedioso rol de datas e de nomes.

                                                                      ***

Se espero ainda aprender alguma coisa, é com a literatura. Com a vida, mais nada.

                                                                      ***

Minha alma dispersa procurava sua alma gêmea no mercado persa de Ketelbey. Um mercador consternado me disse que eu estava atrasado: “Isto aqui já é o Irã.”

                                                                      ***

Não, asfódelos não é uma exortação sexual.

                                                                      ***

Todo sujeito, se de amor se trata, acaba por ser um objeto.

                                                                      ***

Sente a nostalgia dos tempos em que, súdito, vivia para cantar os primores de sua rainha e às vezes errava propositalmente uma nota ou um verso, para receber no braço o castigo das unhas majestáticas e rancorosas.

                                                                      ***

Quando ele a vê, a ponta de um dos seus dedos se inquieta e em sua língua há uma palpitação de mel.

                                                                      ***

Se eu tivesse poder, estabeleceria uma norma para melhorar a literatura: em cada parágrafo deveria estar presente um gato. Outra norma seria proibir parágrafos com mais de cinco linhas.

                                                                    ***

Vem sonhando com umbigos. Acorda sempre com o gosto daquele envergonhado ouro de bijuteria.

                                                                     ***

Quixote fracote, eu derrubava um moinho por ano. Derrubo agora trinta por mês, graças a deus e ao ômega 3.

                                                                     ***

Regar as plantas à noite, com tal suavidade que elas, não nos vendo, pensem sermos a chuva.

                                                                     ***

Um medo de ter consumido já toda a minha tristeza.

                                                                     ***

Não se suicida para não ficar sem ter no que pensar.

                                                                     ***

Para um poeta concretista, o máximo de sentimento é uma rosa de cimento.

                                                                     ***

Se sou escritor, não sei. Mas sou persistente. Continuo escrevendo.

__________

Raul Drewnick é jornalista, trabalhou 32 anos no Estado de São Paulo e na antiga revista Visão. Escrevia crônicas para o Caderno2 e para o caderno Cidades do Estadão, além da Vejinha/São Paulo, Jornal da Tarde e o antigo Diário Popular. Escreveu os livros de crônicas “Antes de Madonna” (Editora Olho d’Água) e “Pais, filhos e outros bichos” (Lazuli/Companhia Editora Nacional), além de ter feito parte de coletâneas e antologias. Possui um livro de contos e duas dezenas de novelas juvenis. Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos domingos. 

Anúncios
Marcado:
Posted in: Crônicas