No pátio interno do claustro de cada um [Mariana Ianelli]

Posted on 04/06/2016

4



Mariana Ianelli*

Cada um com seu canteiro de poemas impublicáveis. Poemas satíricos, líricos, grotescos, herméticos, místicos, épicos, pornográficos. Poemas como uma maneira de chamar certos segredos que por direito compõem a matéria da intimidade de cada um, como um jardim no pátio interno de um claustro. Ninguém além de seu dono precisa saber a verdade que lá está plantada, camélia, jasmim, cacto, papoula, jurema, mandrágora, ou mesmo só pedregulhos num espaço todo cimentado. E se o dono não der fim ao que existe ali antes que já não possa cuidar desse jardim por conta própria, então, o que era um poema impublicável, flor de valeriana ou flor de maio, passará de mão em mão, de boca em boca, fazendo publicamente rever a vida e a reputação do seu íntimo proprietário. Muitas vezes, nem é preciso esperar tanto. São milhares de enxeridos por aí que se infiltram pelo olho da fechadura, que vasculham onde não são chamados e encontram o que não é de sua alçada. E que surpresa vergonhosa, que espantosa armadilha, quando o que encontram esses olhos curiosos não é uma coleção de armas nem um monte de taras, que estranho calafrio quando o que encontram é de fato um baú com poemas de verdade, algum retalho muito simples de infância ou alguma dor profunda, cujo dono, por cautela de mestre oriental, soube esconder dos outros a vida inteira como se a ninguém além dele pudesse um dia fazer mal. Que constrangimento se quem invade o claustro alheio encontra um canteiro luzindo de flores brancas enquanto seu próprio pátio interno se ressente de excesso de espera e nenhuma gota d’água.

__________

Mariana Ianelli é escritora, mestre em Literatura e Crítica Literária pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, autora dos livros de poesia Trajetória de antes (1999), Duas chagas (2001), Passagens (2003), Fazer silêncio (2005 – finalista dos prêmios Jabuti e Bravo! Prime de Cultura 2006), Almádena (2007 – finalista do prêmio Jabuti 2008), Treva alvorada(2010) e O amor e depois (2012 – finalista do prêmio Jabuti 2013), todos pela editora Iluminuras. Como ensaísta, é autora de Alberto Pucheu por Mariana Ianelli,  da coleção Ciranda da Poesia (ed. UERJ, 2013). Estreou na prosa com o livro de crônicas Breves anotações sobre um tigre  (ed. ardotempo, 2013). Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos sábados.

Anúncios
Posted in: Crônicas