Rio x Paris [Daniel Cariello]

Posted on 31/03/2016

2



 Daniel Cariello*

Nasci e cresci em Brasília e, aos 30 e poucos anos, fui morar em Paris. No período em que habitei na capital francesa, escrevi crônicas semanais sobre “um brasileiro na terra do fromage”, depois compiladas no livro Chéri à Paris. Nesses textos, era comum haver comparações entre a vida do lado de lá e a do lado de cá (mesmo que, à época, o lado de cá pra mim ficava lá, e do de lá, ficava cá, se é que vocês me entendem).

Vivendo agora no Rio de Janeiro, percebo a cada dia mais semelhanças entre as duas cidades e seus habitantes, mesmo que não tenham nada a ver (se é que vocês me entendem). Listo algumas abaixo:

. Os cariocas ficam semi-pelados de novembro a abril, mesma época em que os parisienses se disfarçam de ursos polares.

. Em Paris, quando a temperatura chega a 5ºC, eles dizem que não está tão frio. No Rio, com 30ºC nos termômetros, os cariocas juram que não está quente.

. A Berthillon, principal sorveteria de Paris, fecha as portas no verão. E as praias do Rio de Janeiro continuam cheias no inverno.

. O Rio tem feijoada, um tantão de carne com feijão preto. Paris tem cassoulet, um tantão de carne com feijão branco. Apesar da diferença de cores, em termos de flatulência a devastação é igual.

. Em Paris existe a praça Rio de Janeiro. No Rio de Janeiro tem a praça Paris.

. O Rio tem uma estátua da liberdade. Paris também. E eu tomo a liberdade de dizer que acho as duas igualmente horríveis.

. Em Paris, os cachorros estão em todos os lugares. No Rio, as cachorras estão nos bailes funk.

. Eles dizem que os brasileiros falam cantando. Nós dizemos que francês faz biquinho pra falar.

. O Rio teve Vinícius de Moraes, que cantou para as mulheres como ninguém. E Paris teve Serge Gainsbourg, que cantou as mulheres como ninguém.

. A Brigitte Bardot embarangou legal. A Garota de Ipanema continua bonita.

. Nós comemoramos os campeonatos de Fórmula 1 de Fittipaldi, Senna e Piquet. Eles festejaram os de Prost. Se em termos de talento os pilotos estavam próximos, em tamanho de nariz o francês chega muito na frente.

. O general De Gaulle também era narigudo.

. Assim como o ator Gérard Depardieu.

. Não dá pra esquecer que o nasal do ex-presidente Sarkozy é igualmente avantajado.

. Guto Goffi, baterista do Barão Vermelho, tem um nariz quilométrico, mas não é francês. O músico Manu Chao morou no Rio de Janeiro, mas não é brasileiro (e nem narigudo).

. Os cariocas são amáveis em um primeiro contato. E, depois de nos conhecer um pouco melhor fazem, inevitavelmente, o convite fatal: “passa lá em casa”. Só não fornecem o endereço, jamais. Apesar disso, se os reencontramos na rua, abrem o maior sorriso e nos dão um grande abraço.

. Os parisienses bufam quando nos conhecem. Mas, depois que simpatizam conosco, nos chamam para um “apéro” na casa deles. E dão o endereço! O que não significa de forma alguma que não vão bufar no próximo encontro.

__________

Daniel Cariello já foi office-boy, guitarrista e tecladista em banda de rock, publicitário, jornalista e escritor, além de cronista para veículos como Le Monde Diplomatique online, Meia Um e Veja Brasília. Lançou dois livros de crônicas pelo selo Longe, do qual é um dos criadores. Colabora com a RUBEM às 5ª feiras. 

Posted in: Crônicas