Reino ameaçado [Madô Martins]

Posted on 12/02/2016

1



Madô Martins*

Poderia ser uma homenagem a Rubem Braga, mas não passa de coincidência: Rubenisa é a gata da casa e, até a chegada de meu neto, tinha status de criança da família. Continua paparicada, com as vontades todas satisfeitas e os brinquedos preferidos espalhados pelos cômodos. Conhece hábitos e horários dos donos, mas quando ambos foram para a maternidade, conheceu a solidão. Ficamos as duas em uma casa silenciosa, eu querendo estar com o recém-nascido, ela, com o casal.

Sempre nos demos bem, mas não nos bastávamos naquela noite. Ela se recolheu cedo ao lugar que costuma usar de esconderijo ao se assustar, como quando toca o interfone: sob a cama. Fiquei zapeando a tevê, sem encontrar nada de interessante. Em determinado momento, Rube voltou à sala e escalou o sofá onde eu estava deitada. Testou meu humor, afiando as unhas no estofado. Como não levou bronca, veio deitar-se comigo. Ou melhor, em cima de mim. Ela e seus seis quilos. Traduzi a inusitada intimidade como um pedido-convite: “vamos nos consolar?”…

Mais tarde, fomos dormir no quarto alheio. E ela, já senhora da situação, passou a noite a meu lado. Às 7 horas do dia seguinte, miou para me despertar, porque é a hora que meu filho levanta e prepara o café de ambos. Como o miado não funcionou, passou a brincar com meus pés cobertos pelo lençol, até que eu finalmente acordei.

Tomei banho com ela de guarda na porta do banheiro. E, ao me preparar para ir à maternidade, vi que suas orelhas baixaram, ressentidas com o próximo abandono. Quando voltamos com o bebê, Rube nos recebeu de rabo em pé, cheirou as malas do pequeno e se deixou acariciar. Porém, ao perceber a nova pessoinha em meu colo, as pupilas arredondaram e o rabo ficou arrepiado, sinalizando perigo: seu reino estava definitivamente ameaçado…

IMG_20160207_200506393

Rube e eu enfrentando a solidão 

__________

Madô Martins é escritora e jornalista, com 12 livros publicados e mais de 700 crônicas impressas aos domingos no jornal A Tribuna, de Santos/SP. Na RUBEM, escreve quinzenalmente às sexta-feiras.

Anúncios
Marcado:
Posted in: Crônicas