A volta de Seu Jorge [Daniel Cariello]

Posted on 21/01/2016

2



Daniel Cariello*

Trim, trim, o interfone trinou. Alô? Bom dia, seu Daniel, vai subir o rapaz da água, o porteiro alertou. Não pedi água. Ele não pediu água, a voz do outro lado da linha comentou com seu interlocutor. O rapaz da água não veio trazer água, veio consertar sua água, quer dizer, o vazamento de água, concluiu. Então, pode subir. Tá subindo.

Opa, vamos entran… Ei, você não é o Jorge, perguntei por retórica, pois o reconheci na hora. Ih, caraca, já vim aqui antes, fazer um serviço de gasista!, respondeu, com ar espantado. Mais espantado estava eu, em vê-lo em versão bombeiro hidráulico. Você também é bombeiro hidráulico? Sou, a gente gosta de diversificar.

Fiquei olhando para o Jorge que gosta de diversificar e lembrei-me da sua atuação no ajuste do meu fogão de botijão para o gás de rua. Pode ficar tranquilo, meu jovem, esse é o meu trabalho, disse, lendo meus pensamentos. Não fiquei nada tranquilo e torci muito para seu desempenho nas bricolagens líquidas ser melhor que nas gasosas.

Onde está o fogão, ele perguntou. Que fogão? O que precisa consertar. Não precisa consertar fogão nenhum. Ué, não precisa? Não. Se já tá funcionando, então vou indo. Vai não, seu Jorge, que eu chamei você aqui foi pra reparar um vazamento. Tá vazando gás? Não, tá vazando água embaixo da pia. Então é melhor arrumar. Por favor, seu Jorge, por favor.

Meu jovem, tem uma lanterna aí? Pra quê? Pra eu olhar embaixo da pia. Você não trouxe lanterna? A gente não trouxe, dessa vez. A gente esquece muita coisa, né, seu Jorge? Ô. Só tenho a lanterna do celular, pode ser? Pode ser. Entreguei o celular e fui atender a uma ligação no telefone fixo. Era a minha operadora de TV a cabo me propondo de assinar o serviço de TV a cabo deles. Recusei e achei estranho o atendente falar “não tem problema nenhum”, quando percebi que quem falava “não tem problema nenhum” era o Jorge.

Fui verificar se não havia problema nenhum e percebi que havia um quando o procurei no banheiro e encontrei na cozinha, me apontando o cifão da pia de louças. Esse está perfeito. Esse está, eu disse. Então não há nada a fazer, já vou indo. Vai não, seu Jorge, que o problema está na pia do banheiro. Por que você não disse logo, meu jovem? Por quê, me perguntei dez vezes.

Levei-o ao banheiro, para ter certeza de que chegaríamos lá. Onde está o vazamento? Ali, é o cifão da pia, tem uma peça quebrada. Vou ver. Vai, por favor. Ó, é o cifão da pia, tem uma peça quebrada, gritou pra mim, que estava ao seu lado. Já tô sabendo, vamos trocar. Não vai dar. Não vai dar? A gente não trouxe o cifão. A gente não trouxe o cifão? Não trouxe, dessa vez, meu jovem. E agora, o que a gente faz? Agora o melhor é a gente ligar lá na empresa pra agendar uma outra visita e pedir pra mandarem um cifão, não acha? Olhei pra ele com uma cara desolada, a gente já não sabia mais o que achar.

— // —

Ficou curioso pra saber as origens de seu Jorge? Aqui está a primeira história do sujeito, quando ele se apresentou com seu avatar de gasista.

_________

Daniel Cariello já foi office-boy, guitarrista e tecladista em banda de rock, publicitário, jornalista e escritor, além de cronista para veículos como Le Monde Diplomatique online, Meia Um e Veja Brasília. Lançou dois livros de crônicas pelo selo Longe, do qual é um dos criadores. Colabora com a RUBEM às 5ª feiras.

Anúncios
Posted in: Uncategorized