Deus interfere na terra? [Luís Giffoni]

Posted on 27/06/2015

0



Luís Giffoni*

Um de meus conhecidos vive sob o constante medo de doenças, terremotos e furacões, além de outras desgraças. Seu guru espiritual, mediante parcelas mensais em dinheiro vivo, garante que, por causa dos pecados cometidos pelos brasileiros, os céus logo se vingarão, lançando-nos terríveis catástrofes. Como prova, o guru cita os tremores e maremotos que sempre acontecem no Japão, enviados pela ira divina porque os nipônicos ainda não se converteram ao Evangelho. Parece incrível que, em pleno século 21, existam pessoas perversas a ponto de usar este tipo de argumento para intimidar outras. Mais incrível ainda, em pleno século 21, há gente que acata essa tosca e falsa argumentação.

Dois mil e quinhentos anos atrás, um grupo de pensadores de várias regiões da Grécia, chamados pré-socráticos, constatou que os deuses não interferiam na natureza, isto é, a natureza possuía regras, padrões e leis próprias que funcionavam à revelia de qualquer deus. Deuses de um lado, natureza de outro. A filosofia ocidental brotou desse movimento. A ciência também.

Desde então, o conhecimento se desvinculou do céu e se ligou à terra, ou seja, aos seres humanos, ao raciocínio, à observação, à indução, à intuição. Resultado: passamos a viver mais e melhor. Os raios pararam de ser despejados por Zeus do alto do Olimpo e se tornaram uma questão climática. Em vez de punição celestial, a peste negra virou uma doença causada por micro-organismos, passível de ser evitada. A Terra deixou de ser o centro do Universo.

Os pré-socráticos, apesar da ingenuidade de muitas de suas teses, buscaram explicações racionais para os fenômenos. A partir dessa ingenuidade, a sabedoria evoluiu durante dois milênios e meio até descobrirmos que terremotos e tsunamis são provocados pelo movimento de placas tectônicas, desde muito antes do primeiro ser humano andar sobre a Terra. Não existe, tampouco existiu ou existirá, intervenção divina.

Os pré-socráticos valem como curiosidade. A vasta maioria de suas obras se perdeu, mas são suficientes, no entanto, para demonstrar que, vinte e cinco séculos atrás, eles tinham a mente mais aberta, honesta e inteligente que certos gurus de hoje e queriam dar a todos os seres humanos não um dia de medo e temor, mas um dia de bom senso e boa informação.

_________

Luís Giffoni tem 25 livros publicados. Recebeu diversas premiações, como do Jabuti de Romance, da APCA, do Prêmio Nacional de Romance – e de Contos – Cidade de Belo horizonte, Prêmio Minas de Cultura – Prêmio Henriqueta Lisboa. No momento trabalha num romance que viaja pela América do Sul. Na RUBEM, escreve quinzenalmente aos sábados. 

Anúncios
Marcado:
Posted in: Uncategorized