O Parque Guinle [Daniel Cariello]

Posted on 19/03/2015

1



Daniel Cariello*

– O parque Guinle foi projetado
– Pierre, rentre!
– Pelo Lúcio Costa.
– Aquele de Brasília?
– Isso, o urbanista. E os jardins pelo Burle
– On mange!
– Marx.
– Aquele de Brasília?
– O paisagista, o próprio. Repare, aqui parece a capital.
– Parece mesmo…
– Prédios de 6 andares, pilotis, parque de criança, jardim, modernista.
– Allez, monte! Le déjeuner est prêt!
– Como uma superquadra.
– Exato! Mas foi construído antes, fim dos anos 40.
– É bonito.
– E sabe onde o Lúcio Costa nasceu?
– Onde?
– Em Toulon, na França.
– Mais je crois pas!
– E daí?
– Você não reparou no tanto de gente falando francês aqui?
– É mesmo. Acabei de ver três garotinhas brincando na língua de Voltaire. Mas, me diga uma coisa: você é de Brasília, né?
– Oui, c’est toi! Vite!
– Sou.
– E viveu em Paris?
– Vivi.
– Por esse motivo que veio morar na porta do parque Guinle?
– Não tinha pensado nisso…
– Encontrou um cantinho que é o Rio, é Paris e é Brasília. Tudo junto.
– É possível que você tenha razão.
– Mais c’est pas possible, Pierre!
– Olha, não sei você, mas estou morrendo de calor. Bora continuar esse papo tomando uma cerveja.
– Pode ser vinho branco?
– Vinho? Que tal uma caipirinha? Soube que faz sucesso na França.
– Caipirinha é bom.
– C’est bon, maman. Je monte!
– Então, desce duas.

__________

Daniel Cariello já foi office-boy, guitarrista e tecladista em banda de rock, escritor, jornalista e publicitário. Queria ser reconhecido pela música, mas ganhou prêmios escrevendo para revistas e agências de propaganda. Em 2013, lançou seu primeiro livro, Chéri à Paris, com as crônicas que escreveu quando morou na capital francesa. É cronista da revista da Veja Brasília e colabora com a RUBEM às 5ª feiras. 

Anúncios
Posted in: Uncategorized