Os 100 Livros de Crônicas Mais Lidos no Skoob

Posted on 18/03/2013

4



A lista abaixo apresenta os 100 livros de crônicas que mais aparecem nas estantes dos usuários do Skoob. Não significa que todas as pessoas tenham lido os livros (várias delas podem ter marcado a opção “Vou ler” ou “Abandonei”). De qualquer forma, o resultado dá uma boa visão sobre os livros e cronistas mais lidos e conhecidos, além de apontar curiosidades muito interessantes, que esmiuçarei logo abaixo. Eis a lista:

  1. Comédias para se Ler na Escola – Luís Fernando Veríssimo 16581
  2. As Mentiras Que os Homens Contam – Luís Fernando Veríssimo 15583
  3. Comédias da Vida Privada – Luís Fernando Veríssimo 5580
  4. Doidas e Santas – Martha Medeiros 4811
  5. O analista de Bagé – Luís Fernando Veríssimo 4651
  6. O Melhor das Comédias da Vida Privada – Luís Fernando Veríssimo 4274
  7. Amor é Prosa, Sexo é Poesia – Arnaldo Jabor 4189
  8. Sexo na Cabeça – Luís Fernando Veríssimo  3863
  9. A Mesa Voadora – Luís Fernando Veríssimo 3753
  10. Todas as Histórias do Analista de Bagé – Luís Fernando Veríssimo 3380
  11. Para gosta de ler Crônicas 1 3304
  12. Feliz por nada – Martha Medeiros  3244
  13. Por um Fio – Dráuzio Varella 2890
  14. O homem nu – Fernando Sabino 2700
  15. Mais Comédias para Ler na Escola – Luís Fernando Veríssimo 2643
  16. Orgias – Luís Fernando Veríssimo 2094
  17. A Descoberta Do Mundo – Clarice Lispector 1943
  18. Para viver um grande amor – Vinícius de Moraes 1820
  19. Pequenas Epifanias – Caio Fernando Abreu 1805
  20. Para gosta de ler Crônicas 2 1786
  21. Banquete com os deuses – Luís Fernando Veríssimo 1744
  22. O Nariz e outras Crônicas – Luís Fernando Veríssimo 1736
  23. Para gosta de ler Crônicas 5 1693
  24. Para gosta de ler Crônicas 4 1685
  25. Trem-bala – Martha Medeiros 1673
  26. Coisas da vida – Martha Medeiros 1653
  27. Ed Mort e Outras Histórias – Luís Fernando Veríssimo 1619
  28. Montanha-Russa – Martha Medeiros 1562
  29. Pensar é Transgredir – Lya Luft 1552
  30. As Cem Melhores Crônicas Brasileiras 1532
  31. Para gosta de ler Crônicas 13 1468
  32. Para gosta de ler Crônicas 7 1377
  33. A faca de dois gumes – Fernando Sabino 1255
  34. Non-Stop – Martha Medeiros 1249
  35. Aprendendo a Viver – Clarice Lispector 1240
  36. Diálogos Impossíveis – Luís Fernando Veríssimo 1232
  37. A mulher do vizinho – Fernando Sabino – 1159
  38. Comédias Brasileiras de Verão – Luís Fernando Veríssimo 1156
  39. Para gosta de ler Crônicas 3 1110
  40. Novas Comédias da Vida Privada – Luís Fernando Veríssimo 1047
  41. Para uma menina com uma flor – Vinícius de Moraes 1027
  42. Outras do Analista de Bagé – Luís Fernando Veríssimo 979
  43. Topless – Martha Medeiros 977
  44. Ostra feliz não faz pérola – Rubem Alves 940
  45. A Alma Encantadora das Ruas – João do Rio 939
  46. Canalha! – Fabrício Carpinejar 913
  47. Para Não Esquecer – Clarice Lispector 908
  48. Em algum lugar do Paraíso – Luís Fernando Veríssimo 876
  49. A Mãe Do Freud – Luís Fernando Veríssimo 867
  50. Pornopolítica – Arnaldo Jabor 845
  51. Mulher Perdigueira – Fabrício Carpinejar 832
  52. A Velhinha de Taubaté – Luís Fernando Veríssimo 801
  53. Só Para Mulheres – Clarice Lispector  792
  54. De amor e amizade – Clarice Lispector 755
  55. Correio Feminino – Clarice Lispector 750
  56. O Gato Sou Eu – Fernando Sabino 719
  57. A Vida que Ninguém Vê – Eliane Brum 707
  58. 200 crônicas escolhidas – Rubem Braga 685
  59. Festa de criança – Luís Fernando Veríssimo 671
  60. O Amor que Acende a Lua – Rubem Alves 630
  61. Se eu pudesse viver minha vida novamente… – Rubem Alves 624
  62. Comédias da Vida Pública – Luís Fernando Veríssimo 604
  63. O Amor Esquece de Começar – Fabrício Carpinejar 545
  64. Entre a boca da noite e a madrugada – Milton Dias 545
  65. O Retorno e Terno – Rubem Alves 544
  66. A falta que ela me faz – Fernando Sabino 532
  67. Dois amigos e um chato – Stanislaw Ponte Preta 519
  68. Lula é Minha Anta – Diogo Mainardi 508
  69. Cem Melhores Crônicas – Mário Prata 497
  70. A Eterna Privação do Zagueiro Absoluto – Luís Fernando Veríssimo 476
  71. O coração roubado – Marcos Rey 472
  72. Hoje é Seu Aniversário – Prepare-se – Antônio Bras Constante 452
  73. Gol de padre – Stanislaw Ponte Preta 444
  74. O Óbvio Ululante – Nelson Rodrigues 442
  75. Pai Não Entende Nada – Luís Fernando Veríssimo 439
  76. 100 Crônicas – Mário Prata 438
  77. A Cadeira do Dentista – Carlos Eduardo Novaes 437
  78. Deixa o Alfredo Falar! – Fernando Sabino 424
  79. A Mulher do Silva – Luís Fernando Veríssimo 424
  80. O Astronauta sem Regime – Jô Soares 420
  81. As Melhores Crônicas de Fernando Sabino 399
  82. FEBEAPÁ 1, 2 e 3 – Stanislaw Ponte Preta 397
  83. Aventuras da Família Brasil – Luís Fernando Veríssimo 390
  84. Borralheiro – Fabrício Carpinejar 388
  85. A companheira de viagem – Fernando Sabino 384
  86. O Marido do Doutor Pompeu – Luís Fernando Veríssimo 378
  87. Moça com Flor na Boca – Airton Monte 363
  88. Humor nos tempos do Collor – Jô Soares, L. F. Veríssimo e Millôr Fernandes 360
  89. Ai de ti, Copacabana – Rubem Braga 351
  90. O homem que conhecia as mulheres – Marcelo Rubens Paiva 350
  91. O Golpe do Aniversariante e Outras Crônicas – Walcyr Carrasco 338
  92. Nunca Subestime Uma Mulherzinha – Fernanda Takai
  93. Em outras Palavras – Lya Luft 317
  94. Concerto para Corpo e Alma – Rubem Alves 317
  95. A Grande Mulher Nua – Luís Fernando Veríssimo 315
  96. As Fêmeas – Marcelo Rubens Paiva 312
  97. Ai meu Deus, ai meu Jesus – Fabrício Carpinejar  310
  98. Boca de Luar – Carlos Drummond de Andrade 308
  99. A menina sem estrela – Nelson Rodrigues 306
  100. 70 historinhas – Carlos Drummond de Andrade 302

Cronistas e livros entre os 100 mais lidos no Skoob

Luís Fernando Veríssimo: 29

Fernando Sabino: 8

Martha Medeiros: 7

Clarice Lispector: 6

Fabrício Carpinejar, Rubem Alves: 5

Stanislaw Ponte Preta: 3

Arnaldo Jabor, Carlos Drummond de Andrade, Jô Soares, Lya Luft, Marcelo Rubens Paiva, Mário Prata, Nelson Rodrigues, Rubem Braga, Vinícius de Moraes: 2

Airton Monte, Antônio Brás Constante, Caio Fernando Abreu, Carlos Eduardo Novaes, Diogo Mainardi, Dráuzio Varella, Eliane Brum, Fernanda Takai, João do Rio, Marcos Rey, Millôr Fernandes, Milton Dias, Walcyr Carrasco: 1

Reflexões

– Como salta à vista, há um massacre de Luís Fernando Veríssimo entre os livros de crônicas mais lidos no Skoob. São 8 livros entre os 10 primeiros, e 29% de toda a lista. Veríssimo é o escritor brasileiro que mais vende livros, e consegue isso justamente através do gênero da crônica – seus eventuais romances são apenas exigências das editoras. A popularidade de Veríssimo mostra o alcance do gênero, não dissociado do jornal, suporte em que primeiro é escrito. É um caso singular de sucesso entre o público e crítica. É importante destacar a importância do humor para este resultado alcançado por Veríssimo. As comédias da vida privada interessam mais que as da vida pública. Também é sintoma disso a citação de 8 livros de Fernando Sabino, cronista com o qual Veríssimo compartilhava mais coisas do que o jazz.

– A segunda coisa que chama a atenção na lista são as ausências. A começar por Machado de Assis, sem o qual o gênero não teria sido aquilo que é hoje. A atuação bastante destacada dos romances e contos de Machado deixa, infelizmente,a crônica em um segundo plano, quando não é nenhum exagero dizer que também neste gênero ele reinava absoluto. Quase nada do que se escreveu após as crônicas de Machado de Assis lembra a originalidade e ousadia dos seus textos, especialmente os de “A Semana”.

– Sem as crônicas do Machado, também não haveriam as crônicas de Rubem Braga e Nelson Rodrigues, seguramente dois dos poucos escritores que podem ser chamados de “estilo” no gênero da crônica. E, como se observa da lista cima, os dois possuem desempenhos pífios entre os livros mais lidos. O livro melhor colocado de Braga é a coletânea “200 Crônicas Escolhidas”, que ocupa um modestíssimo 58º lugar. O resultado de Nelson é ainda pior, pois ocupa o 74º lugar com “O Óbvio Ululante”. O seu livro “A Cabra Vadia”, um dos mais originais já escritos no gênero, sequer aparece entre os 100 primeiros. Drummond por pouco não deixou de aparecer (98º e 100º lugar). Paulo Mendes Campos, um dos nossos mais célebres cronistas, ficou de fora. José Alencar, a quem a crônica tanto deve, pelo seu pioneirismo no gênero, está longe de ter conhecidos os seus textos escritos ao correr da pena.

– A lista reflete o sucesso de Martha Medeiros, uma das nossas cronistas mais celebradas, e que costuma pegar um tipo de público que também é o da Clarice Lispector, outra bem lembrada, embora esteja bastante longe de sua qualidade literária. Também costuma ser o mesmo pessoal que lê Lya Luft (2 livros citados), e que possivelmente também veja com simpatia as crônicas de Carpinejar (5), Rubem Alves (5) e Arnaldo Jabor (2), e seguramente de Caio Fernando Abreu (1). São textos que privilegiam uma visão mais sensível e feminina do cotidiano, geralmente marcado por frases de efeito e por reflexões que nem sempre são tão profundas quando se pretende. Este é o estilo de crônica que, ao lado das humorísticas, mais tem feito sucesso entre os leitores brasileiros. Infelizmente, a lista precisaria contemplar 1000 livros para entrar alguma obra de Artur da Távola, bem mais psicológico e, devo dizer, mais interessante.

– A coletânea “Pra Gostar de Ler” realmente fez um baita sucesso, sendo bastante lembrada e celebrada ainda em nossos dias. São várias as edições que constam na lista acima. O sucesso mostra a capacidade que o gênero tem de alcançar os leitores jovens e em idade escolar, os mesmos que se pretende alcançar com a atual coleção “Crônicas para se ler na escola”. A crônica parece ser, de fato, o gênero mais adequado para aproximar o leitor do mundo da literatura. Não concordo, no entanto, com a visão de que, a partir dela, o leitor deva partir para outro gênero mais “adulto”.

– Ao fazer essa lista, tive algumas boas surpresas, pois há nomes de cronistas que eu ainda não conhecia, e que poderia pesquisar e ler a partir de agora: Antônio Bras Constante, Airton Monte e Milton Dias.

– Pra mim foi surpresa também que “A Alma Encantadora das Ruas”, de João do Rio, livro do começo do século passado, e que representa papel importante na transição entre a crônica machadiana e a  crônica moderna, esteja na lista.

– Ainda se lê pouca crônica no Brasil, e nem sempre se lê o que de melhor é feito no gênero.

Anúncios
Posted in: Uncategorized